resenha

John Carter entre dois mundos – Stuart Moore

22 maio 2012
Informações

john carter entre dois mundos

stuart moore

fantasy - casa da palavra

série ---

160 páginas | 2012

4

Design 4

História 4

Perdido em um mundo, encontrado em outro. Guerra Civil, EUA. John Carter, um soldado veterano, é misteriosamente transportado para Barsoom, o planeta vermelho, conhecido como Marte. Envolvido em um conflito de proporções épicas, em meio a uma guerra alienígena, Carter precisa lutar para manter vivos dentro de si dois dos sentimentos humanos mais conhecidos: a esperança e o amor. Baseado no clássico Uma princesa de Marte, obra de fantasia e ficção científica de Edgar Rice Burroughs, criador de Tarzan.

Design

Sou daquelas que não gosta quando a editora relança um livro com a capa diferente, que é o poster do filme, só porque é o último lançamento nos cinemas. No caso de John Carter este meu incômodo não se aplica já que o livro é assumidamente o roteiro romantizado do filme. Porém, senti falta do nome do “autor” na capa. Ele só ganha espaço na folha de rosto, já na parte interna do livro.

Esse é o primeiro livro da Fantasy e como o conteúdo é relativamente pequeno foi possível fazer um projeto  para o miolo bastante arejado, com margens largas. Cada capítulo tem uma ilustração diferente na abertura e eles sempre começam nas páginas ímpares, assim o projeto ganhou mais corpo porque aumenta o número total de páginas.

Não achei que era realmente necessário ter um sumário para o livro, afinal os capítulos são numerados e não tem um título para cada um, mas ainda assim é mais uma folha para o livro.

Achei o projeto elegante e ele visa maximizar a quantidade de páginas, mas senti falta do nome da fonte utilizada nos números de capítulos, rodapé e cabeçalhos. Ela não é serifada por isso não é a Adobe Caslon divulgada no colofon e que compõem o miolo do livro.


História

Vale começar a resenha avisando que esta não é a obra original de Edgar Rice Burroughs. Na verdade é uma obra produzida a partir do roteiro criado para o filme homônimo lançado no começo do ano. Então, de certa forma, é um resumo do que provavelmente é o livro de Burroughs.

Infelizmente eu não li Uma Princesa de Marte para contar para vocês a diferença de estilo de escrita, se houve mudança na história… mas o que eu li em John Carter foi uma história empolgante, onde você consegue identificar vários elementos utilizados em grandes histórias dos dias atuais. A jornada do herói está lá, toda completa, nas 160 páginas do livro.

Isso também foi uma coisa gratificante, 160 páginas, dependendo da sua velocidade de leitura, podem ser devidamente devoradas em um dia só. Além disso a história é muito rápida e empolgante, mesmo você tendo a sensação que podem estar faltando partes da “verdadeira”.

John Carter é um sobrevivente de guerra, tentando encontrar ouro em suas terras na Virgínia. Ao ser capturado por cavaleiros do exército e conseguir fugir, ele fica no meio de um “tiroteio” entre os brancos americanos e o índios apaches. Escapando do conflito e refugiando-se em uma caverna ele acaba sendo transportado para outro planeta: Barsoom.

Em Barsoom ele descobre que tem mais agilidade e que pode saltar grandes distâncias. Porém ele é preso pelos tharks, habitantes extraterrestres deste lugar: seres altos e verdes com quatro braços e pinças que saem de seus rostos (eu fiquei imaginando o Ajax da Liga da Justiça, que fora as pinças, bem tem essa descrição). Tratado como um bebê, ele é alimentado com uma poção que o permite entender o que os ETs falam.

Barsoom é um planeta em guerra. Enquanto é prisioneiro dos tharks, John Carter presencia um ataque do reino de Zodanga às naves do reino de Helium. Atraído pela beleza de uma jovem heliuminita em perigo, John se envolve na batalha para salvá-la. Dejah Thoris é a princesa de Helium, prometida para Sab Than, tirano de Zodanga, que quer dominar toda Barsoom.

Com Dejah Thoris, John Carter descobre que está em Marte e passa a viver um dilema: voltar para Terra, seu planeta natal, ou ajudar a princesa de Marte a vencer o tirano que quer escravizar seu planeta.

Apesar de o livro não ser muito descritivo você consegue facilmente imaginar toda a ação que está acontecendo, as naves e os outros seres que habitam Marte. Provavelmente se tiver visto o filme deve ficar ainda mais fácil.

Não sei bem se dá pra considerar a história como ficção científica. Ouvi em um episódio do Nerdcast que ele se encaixava mais em uma definição de “space opera“, que na verdade seria como uma história de fantasia passada no espaço. Eles dizem que ficção científica costuma ter definições tecnológicas e avanços científicos consideráveis que são utilizados para embasar a história, e em John Carter isso não acontece de fato. Certas descrições beiram mais a magia do que a tecnologia propriamente dita.

Obviamente nada disso desmerece o livro. Ao mesmo tempo que acredito que também vale pegar a obra original de Edgar Rice Burroughs e ler os detalhes que provavelmente foram omitidos nesta transcrição.


Até a próxima! o/

Você também vai gostar

1 comentário

  • Responder Poly 22 maio 2012 at 22:51

    Não conhecia o livro, mas não fiquei muito interessada em ler também… essas coisas envolvendo espaço não são para mim.
    Bjuxxxxx

  • Deixe uma resposta