resenha

Warcraft – Christie Golden

1 set 2016
Informações

warcraft

christie golden

galera record

série ---

266 páginas | 2016

3.75

Design 3

História 4.5

A novelização do aguardado filme de ação e fantasia Warcraft.

Há muito Azeroth está em paz. Após expulsar os trolls, com a ajuda de Medivh, Guardião do reino, humanos vivem em paz com os vizinhos elfos e anões. Mas um novo mal desponta no horizonte, e a guerra ameaça engolfar mais uma vez os domínios do justo rei Llane.

Uma raça temerária de invasores, os guerreiros orcs, insuflados pelo feiticeiro Guldan e liderados pelo monstruoso Mão Negra, fogem de seu mundo agonizante em busca de caça e oportunidades. Com a ajuda da vileza, a mais cruel das magias, Guldan criou um portal capaz de transportar sua Horda até Azeroth.

A maré verde, de orcs dominados por esse mal, toma de assalto as terras humanas. Morte e destruição ameaçam destruir a tudo e a todos. Então, de lados opostos, dois heróis surgem, em uma rota de colisão que decidirá o destino de sua família, seu povo e seu lar.

Durotan, o líder honrado do clã Lobo do Gelo, quer apenas uma chance para seu filho recém-nascido. Lothar, o Leão de Azeroth, busca redenção. E assim começa uma espetacular saga sobre poder e sacrifício, na qual a guerra tem muitas facetas e todos lutam por algo.

design

Assim… já comentei em outros livros que foram transformados em filmes, apesar de aqui ter sido o movimento contrário, mas poxa… A capa é o poster do filme.

Ficou bonito? Ficou. Só que, particularmente, eu prefiro não fazer uma análise da capa quando ela vem de uma arte que não é livro, sabem? Vai ficar capenga a análise? Com certeza! Por isso já peço “perdão pelo vacilo”.

O que eu posso dizer é que: não tem mapa! Draenor e Azeroth sem mapa fica confuso de entender e apreender a dimensão dos dois mundos. E o miolo em si segue o padrão que os livros do grupo Record sempre tem, então, sem novidades por aqui.


história

Esta provavelmente vai ser uma resenha bastante tendenciosa, como provavelmente todas as resenhas costumam ser, mas no caso de Warcraft, eu tenho uma história com a franquia.

São pelo menos 10 anos sendo uma jogadora casual|ativa em World of Warcraft. Já criei várias personagens no maior MMORPG de todos os tempos, mas existe uma da qual eu tenho o maior carinho. De ficar com pena de evoluir outro personagem quando podia estar jogando com Lyandir. Ela foi a referência para que o ótimo estúdio Limetown fizesse meu avatar do facebook.

Lyandir World of Warcraft

Sou druida balance/equilíbrio de coração, e não me importava muito de ser uma galinha trovejante gigante enquanto tenho a possibilidade de manter minha forma de nightelf. Então, sim, assim como os livros, WoW é, há muito tempo, minha válvula de escape e fuga.

Mas eu tenho uma confissão a fazer. Apesar de apaixonada pelo jogo, pelo mundo e pelos personagens, eu nunca realmente me envolvi com a história do universo de Warcraft. Todo o background que ajuda a montar as histórias e quests dentro do jogo… nunca busquei informações ou fui atrás de como tudo começou. Uma das maiores histórias de fantasia que, de certa forma, eu vivencio todas as vezes que me “logo” no jogo, com um universo gigante e cheia de mapas (<3), e eu nunca me aprofundei.

2016. E um dos maiores lançamentos do ano finalmente chega aos cinemas. Warcraft: O Encontro de Dois Mundos foi um dos melhores filmes que vi no ano. Tudo que eu sempre quis ver em filme do jogo que eu tanto amo. Orcs, ombreiras gigantes, pirotecnia. Me senti um daqueles fãs babentos vendo o filme.

Qual não foi minha supresa ao receber da Galera a versão novelizada do mesmo filme que eu tinha visto poucas semanas antes. Com a história e os personagens frescos na memória peguei logo o livro para ler, e fazer as possíveis comparações com o filme.

Livro e filme são bastante parecidos, sendo que no livro é possível apresentar um pouco mais algumas situações ou personagens que não necessariamente apareceram no cinema. Ao mesmo tepo, cenas mas complexas não foram completamente traduzidas para o papel. Mas a história em si, é a mesma coisa.

Draenor está morrendo. O planeta está sendo consumido por algo que os orcs desconhecem. O clã Lobo de Gelo é convocado por Gul’dan para se juntar à Horda, e partir em busca de um novo mundo. Durotan, o líder do clã, junto com sua companheira grávida Draka, leva todos seus companheiros para a reunião com outros clãs convocados por Gul’dan. O bruxo pretende abrir um portal para invadir um novo mundo, onde a Horda e os orcs vão poder construir vida nova. Outros personagens importantes do núcleo de Durotan são Garona, uma mestiça que aprende facilmente outras línguas; Orgrim Martelo da Perdição, segundo em comando do clã Lobo de Gelo; e Mão Negra, o chefe guerreiro nomeado por Gul’dan.

mao-negra

O mundo que os orcs pretendem invadir é Azeroth, que tem Stormwind|Ventobravo, como uma das cidades mais importantes do continente. Comandada por Llane, o rei humano, depois da expulsão dos trolls o reino tem vivido em relativa paz. Lothar o comandante do exército dos humanos estava em visita à Ironforge|Altaforja quando é convocado por conta de um ataque a postos avançados da cidade. Seres monstruosos estão destruindo vilas e cidades dos humanos, e as legiões não estão conseguindo combater os invasores.

hadggar

Entra em cena o jovem mago Hadggar/Khadggar que, sentindo uma alteração no equilíbrio mágico, invade uma das casernas de Stormwind|Ventobravo para tentar identificar a fonte de magia profana que percebeu: a vileza. Outros personagens importantes dos humanos: Medivh, o Guardião de Azeroth, um dos maiores magos vivos; Taria, a esposa de Lanne e irmã de Lothar; e Callan, filho de Lothar.

Agora as duas forças vão lutar entre si, uma para conquistar o novo mundo e a outra para impedir que ainda mais orcs cheguem em Azeroth.

lothar-garona

Assim, o livro é divertido, mas tive o “agravante” de já ter visto o filme e ter a imagem de todos os personagens e cenários gravados. Fora tudo o que já conheço dos jogos. Não consigo afirmar como seria para um leitor que nunca foi impactado por nada do universo de Warcraft. Provavelmente quem está acostumado com livros de fantasia, com algumas descrições de raças diferentes tenha uma maior facilidade para imaginar e imergir na história.

warcraft

O interessante de todo o universo de Warcraft é que não existe bem x mal, não dá para simplificar a história de que orcs são maus e humanos são bons. Cada lado tem sua verdade e que está certa, então não tem muito como decidir quem “tem que” vencer. E isso foi bem representado na história. Você consegue ver e entender as motivações tanto da Horda quanto da Aliança, e como cada um está certo dentro de seu próprio conceito.

Se você nunca jogou, nem acompanha os livros lançados até agora pela Galera, talvez Warcraft seja um começo interessante. Não existe muito desenvolvimento do background dos personagens, você não vai descobrir porque Hadggar abandonou o Kirin Tor, mas se é para um primeiro contato, inclusive com o estilo da Christie Golden, que é muito gostoso de ler, dê uma chance para Warcraft.


Até a próxima! o/

banners-resenha-galera

Você também vai gostar

Nenhum comentário

Deixe uma resposta