resenha

O Olho do Mundo – Robert Jordan

7 nov 2013
Informações

O Olho do Mundo

Robert Jordan

intrínseca

série A Roda do Tempo #1

800 páginas | 2013

5

Design 5

História 5

12

Compre! Amazon

Um dia houve uma guerra tão definitiva que rompeu o mundo, e no girar da Roda do Tempo o que ficou na memória dos homens virou esteio das lendas. Como a que diz que, quando as forças tenebrosas se reerguerem, o poder de combatê-las renascerá em um único homem, o Dragão, que trará de volta a guerra e, de novo, tudo se fragmentará.

Nesse cenário em que trevas e redenção são igualmente temidas, vive Rand al’Thor, um jovem de uma vila pacata na região dos Dois Rios. É a época dos festejos de final de inverno – o mais rigoroso das últimas décadas -, e mesmo na agitação que antecipa o festival, chama a atenção a chegada de uma misteriosa forasteira.

Quando a vila é invadida por Trollocs, bestas que para a maioria dos homens pertenciam apenas ao universo das lendas, a mulher não só ajuda Rand e seus amigos a escapar dali, como os apresenta àquela que será a maior de todas as jornadas. A desconhecida é uma Aes Sedai, artífice do poder que move a Roda do Tempo, e acredita que Rand seja o profético Dragão Renascido, aquele que poderá salvar ou destruir o mundo.

Design

Então Pessoas, se a LeYa pode ter um MARTIN a Intrínseca não fica atrás e ataca de JORDAN! :D

Vamos falar de capa: O Olho do Mundo tem uma das capas mais legais do ano, em sua simplicidade e impacto. Baseada quase só em lettering, a capa apresenta uma imitação de couro como base da ilustração da Roda do Tempo. Com direito a tinta metalizada no título, na serpente tanto da capa quanto da lombada, e inclusive dando aquele toque especial no logo da Intrínseca. A roda e o “couro” também aparecem na quarta capa que mantém o clima extremamente clean. Mas não sei se foi algum problema de carregamento de tinta na gráfica, mas você consegue visualizar muito melhor o efeito do couro e a própria Roda do Tempo nas imagens da capa pelas interwebs do que no livro propriamente dito. O resultado ficou meio lavado… =/

Eu meio que esperava que a chapada de preto continuasse pela parte interna da capa, criando uma unidade com a falsa folha de rosto. Uma chapada dourada também criaria um efeito visual muito bonito. Nas folhas de rosto, uma imagem muito instigante que, para mim, faz alusão às estradas que os personagens percorrem quando veem o cavaleiro sombrio pela primeira vez e enquanto fogem de Dois Rios.

Como todo bom livro de fantasia, O Olho do Mundo tem mapas! Mapas <3! Não um, mas quatro mapas, três representando as áreas onde ocorrem as ações durante aqueles capítulos específicos, e o principal, logo no começo do livro. Este tem um trabalho mais artístico de finalização mas confesso que não consegui vê-lo completo, não tive coragem de abrir realmente o livro para admirar o desenho. Todos os mapas são localizados e traduzidos para o português.

Sobre o miolo, que cuidado e carinho com o texto! Sumário para ajudar o leitor a se localizar nos 53 capítulos e glossário no final. Aberturas de capítulos com ícones/gravuras que remetem ao conteúdo da história tratada naquele momento, títulos próprios e numerados. As páginas não possuem cabeçalho mas as informações de nome do autor/título do livro estão dividindo espaço com a paginação no rodapé. Assim não atrapalha a mancha gráfica e ela ganha altura, aumentando a área do miolo de texto, que ocupa um espaço no topo que seria reservado para o cabeçalho.

Apesar da fonte ser pequena (adoro!) o bom espaçamento da entrelinha ajuda a não criar uma massa ilegível e cansativa de texto. A fonte em si é muito bonita e balanceada, criando uma unidade agradável de leitura. Diga-se de passagem que se a fonte fosse mal escolhida poderia criar um cansaço visual que atrapalharia muito a fluidez.

Por ser muito grosso e pesado confesso que fiquei com medo de com o manuseio acabar “quebrando” a lombada do livro mas ele sobreviveu durante toda a leitura. Meus bíceps agradecem a musculação involuntária.

Não vi nenhum problema com revisão. Cinco estrelas com carinho para este projeto, merecidas!

Apesar disso, vou me permitir um momento #mimimi para falar mais uma coisa sobre a capa. Foi uma escolha editorial da Intrínseca seguir com esse padrão mais sóbrio, que inclusive é o que foi utilizado nas capas inglesas dos livros de Jordan. Ok, eu achei a capa maravilhosa, mas eu adoraria que ela tivesse uma super ilustração realística, digna de grandes livros de fantasia. A capa que foi feita parece edição comemorativa de trocentos anos, daquelas que são criadas para livros de capa dura e jaqueta. Lembram as versões “adultas” das capas lançadas para Harry Potter? Então, é a mesma sensação e/ou intenção. Eu gostaria que a primeira edição fosse mais “literatura fantástica” e menos “livro de colecionador”. #mimimi


História

Acho que todos já sabem o quanto eu sou apaixonada por fantasia. Guerreiros e damas, magia e política, raças e criaturas diferentes… Quanto mais impressionante e inverossímil melhor. Acho que para a maioria das pessoas o bastião da literatura fantástica é Tolkien, que criou toda uma mitologia que estimulou diversas criações que fazem parte da cultura pop. Dungeons & Dragons, Magic the Gathering, Forgotten Realms, todos de alguma forma bebem na fonte criada e disseminada pelos fãs de Tolkien. A série de Jordan também não fica atrás, mas é aí que os fãs ardorosos de Bilbo e companhia vão ter que me desculpar, porque a saga de Rand e seus companheiros é muito melhor. Não me crucifiquem e leiam até o final, por favor.

O Olho do Mundo segue a jornada clássica do herói, a evolução e amadurecimento do personagem fadado a ser o salvador de todo o mundo que está em perigo, o que é a mesma linha de Tolkien. E é inclusive possível traçar vários paralelos de similaridades entre esta obra e O Senhor dos Anéis. Pontos chaves das tramas que se assemelham em acontecimentos e estruturas (vou falar sobre eles no final da resenha, na “zona de spoilers“!). Mas ao mesmo tempo que são parecidos, duas coisas muito importantes são diferentes: o ritmo e a linguagem.

Ok, as duas séries tem uma diferença de pelo menos 40 anos entre suas publicações. A linguagem de Tolkien devia refletir a época em que seu livro foi escrito, e provavelmente é um fator importante para que eu tenha achado tão lento quando li. Jordan e Tolkien tem um início bastante parecido, contextualizando seus personagens em seus ambientes familiares, suas cidades natais, e neste momento os dois tem um ritmo bastante lento. Mas para mim, a maneira como a história é conduzida em O Olho do Mundo é muito mais ágil e palatável do que em O Senhor dos Anéis.

A começar pelos personagens. Rand al’Thor, Matrim Cauthon e Perrin Aybara são os jovens que “atraem” a atenção do Tenebroso até Dois Rios. Moiraine e Lan, os forasteiros suspeitos mas ao mesmo tempo interessantes. Thom Merrilin, um menestrel que veio para as comemorações do Bel Tine da aldeia, e acabou se envolvendo com os jovens. Egwene e Nynaeve (que é um nome muito maneiro, diga-se de passagem! Preciso criar um personagem novo no WoW com esse nome!) duas mulheres com personalidade e força, também de Dois Rios. E então temos um grupo de personagens que não são só homens! Mulheres poderosas, com participação extremamente ativa durante toda a narrativa, inclusive Moiraine sendo a líder de todos durante a jornada. (Aprovado pela Bechdel Rule! XD)

Aqui Jordan dá um banho em Tolkien ao permitir que nós leitoras tenhamos pontos de identificação na história. É muito mais agradável acompanhar um grupo com representantes femininas ativas e não só símbolos de prêmios a serem conquistados no final da jornada do herói.

Outra coisa muito legal de Jordan é seu sistema de magia. Aqui sim temos poderes “cósmicos e fenomenais”, pirotecnia e o uso de magia esgota o “mago”, não é uma fonte infinita. De acordo com a mitologia dA Roda do Tempo, só mulheres conseguem utilizar a magia da Fonte Verdadeira sem nenhum risco de enlouquecerem. A fonte de poder que os homens conseguiam acessar foi corrompida por Shai’tan e todo aquele que consegue tocar a Fonte deve ser “amansado” para não colocar o mundo em risco mais uma vez.

Temos ROMANCEEENHO! \o/ Obrigada Jordan por fazer com que as pessoas tenham sentimentos e não sejam simplesmente máquinas de cumprir uma missão. E eu já estou aqui, criando minhas expectativas, fazendo minhas apostas de quem fica com quem! <3

Obviamente tenho meus personagens prediletos: Rand, Perrin, Lan e Nynaeve. Da forma como Jordan conduz a história é possível perceber que já existe uma indicação de qual dos três rapazes realmente é o “The Chosen One“. Vamos combinar que a própria sinopse é muito tendenciosa, já que quando Moiraine chega em Dois Rios ela não tem ideia de qual dos rapazes o Tenebroso está atrás…  Mas é interessante ver a dinâmica de amadurecimento que eles passam, inclusive as mulheres. Na verdade, menos Mat… <suspira> que é um personagem daqueles que você torce para não atrapalhar muito todos os outros.

As 800 páginas são tão cheias de informação e você fica tão profundamente imerso que quando cheguei ao final demorei um pouco para me desligar dos acontecimentos e personagens. Talvez a overdose de 400 páginas lidas em um dia só tenha contribuído com essa sensação.

A maneira como a informação vai sendo inserida ao longo da história ajuda a contextualizar não só os personagens na mitologia criada por Jordan, mas também o leitor. Assim nós começamos a montar o quebra-cabeça da Roda do Tempo e da luta entre a Luz e o Tenebroso, o girar das Eras e o poder da Fonte Verdadeira, a magia de saidin e saidar, as diferentes linhas de Aes Seidai… É muito coisa! O que não é tratado no livro, também pudera, são os outros reinos que existem no continente, a profecia do retorno do Dragão, uma melhor explicação sobre Lews Therin Telamon… mas afinal, temos 13 livros pela frente, acho que dá para esperar.

O que fica da leitura de O Olho do Mundo é uma sensação de satisfação por conhecer um mundo tão rico e bem construído, e uma gratidão por Tolkien ter sido o responsável por inspirar tantos autores ao longo dos anos. E também uma ansiedade ABSURDA  de que CARACA AINDA NÃO TEM O PRÓXIMO! >.<

Para não dizer que tudo são flores e vocês acharem que eu só estou aqui babando ovo eu tive dificuldade de imaginar os personagens. Por mais descritivo que o autor fosse com os cenários, batalhas, acessórios, roupas, acontecimentos, ele sempre ficou devendo e era às vezes até lacônico quando se tratava de descrever os personagens.

!ATENÇÃO, A PARTIR DESTE PONTO PODEM EXISTIR LEVES SPOILERS DA HISTÓRIA, LEIA POR SUA CONTA E RISCO!

Agora, para vocês que gostam de comparar as coisas, vou listar algumas situação que eu achei muito parecidas entre Senhor dos Anéis e O Olho do Mundo.

OSdA OOdM
A Sociedade do Anel é formada por oito personagens: 4 hobbits, 1 mago, 2 humanos, 1 elfo e 1 anão O grupo é formado por oito personagens: 3 rapazes (Warrior, Ranger, Blacksmith/Druid) e 2 moças (Aes Seidai e Sabedoria) de Dois Rios, 1 Aes Seidai, 1 Guardião e 1 Menestrel
Gollum delata a localização do anel depois de torturado por Sauron Mascate delata a localização dos rapazes depois de receber promessa de imortalidade
Os hobbits fogem do condado à noite enquanto são perseguidos por Nazgûl e cruzam um rio para se proteger O grupo foge de Dois Rios à noite enquanto são perseguidos por Myrddral e Trollocs e cruzam um rio para se proteger
Na cidade de Bree os hobbits são obrigados a fugir depois que são descobertos pelos Nazgûl Na cidade de Baerlon o grupo é obrigado a fugir depois que são descobertos pelos Myrddral

E por aí vai… mas de forma alguma esses paralelos me incomodaram. Significa que a estrutura é tão bem construída que pode ser “replicada” em outras histórias e enredos.

!FIM DOS SPOILERS!

Por favor, leiam O Olho do Mundo, prestigiem a fantasia de alta qualidade, e pratiquem o levantamento de livro. Afinal, não é qualquer um que aguenta 800 páginas nos bíceps! ^.~


Até a próxima! o/

Onde comprar: Amazon (compras feitas através do link geram uma pequena comissão ao blog ^.~)

Você também vai gostar

8 Comentários

  • Responder Claudio Augusto 20 abr 2017 at 21:49

    eu comprei no
    Site da Saraiva
    esperando chegar
    já tenho os volumes 2 , 3, 4, 5
    só falta o 1
    amei a resenha parabéns

  • Responder top10 livros - 2013 | Parafraseando LivrosParafraseando Livros 13 jan 2014 at 11:36

    […] O melhor livro de fantasia do ano que me garantiu o “ódio infinito e mortal” do Carlos, marido da Lygia do Brincando com Livros. Eu achei melhor do que Senhor do Anéis, desculpem-me os fãs. Acho que livros devem funcionar para os leitores. E para mim O Olho do Mundo funciona muito mais do que os livros do Tolkien. Para quem quiser encarar as 800 páginas vale muito a pena! Leia a resenha! […]

  • Responder Guilherme Lopes 24 nov 2013 at 22:30

    Fiquei muito interessado em ler este livro!!! Parece ter uma história que se encaixa bem nos meus gostos de leitura e espero poder lê-lo futuramente (o mais rápido possível hahaha)

  • Responder Shadai Vieira 22 nov 2013 at 18:58

    Eu fiquei com vontade de ler essa obra (prima?), pois parece fascinante; mas, quando li “800 páginas” minha vontade diminuiu drasticamente. Jà demoro muito para ler livros normais de até 400 páginas, um assim enorme e ainda tendo mais 13 para completar toda a saga me desanimou.
    Mas, ainda assim, conheço gente que adoraria ter/ler esse livro.

  • Responder Vanilda Procopio 20 nov 2013 at 08:42

    hahaha Gostei muito do “levantamento de livro” … hahaha Gostei muito da ideia do livro e sempre acho fascinante essa coisa de mundos novos e personagens diferentes. de início deve ser difícil assimilar tudo, mas como você disse, essa é uma fantasia de alta qualidade e para quem gosta, não deve deixar passar a oportunidade de ler.

  • Responder Jessica Gomes 11 nov 2013 at 20:40

    Vi vários blogs falando tanto do lançamento desse livro que eu fiquei muito curioso par lê-lo, ele esta fazendo o maior sucesso atualmente, já fizeram excelentes comentários sobre este livro.
    Eu adoro fantasias complexas, com muitos personagens principalmente e fiquei muito curiosa porque a trama central não é clara e a mitologia parece muito rica. A Editora Intrínseca novamente fazendo sucesso com mais um livro.

  • Responder [promoção] sorteio de O Olho do Mundo, da Intrínseca | Parafraseando LivrosParafraseando Livros 11 nov 2013 at 11:23

    […] resenha de O Olho do Mundo entrou no ar, isso significa que vocês ganham promoção! Quem quer livro de fantasia?! […]

    • Responder Cristiane de oliveira 14 nov 2013 at 09:21

      Olha muita coisa me agradou na leitura de sua resenha, primeiro gosto muito de livros de fantasia e sendo parecido e melhor do que Senhor dos Aneis , já estou louca pra ler, é tudo tão bom que preciso desse livro pra ontem rsrrsrsr.
      Gostei mesmo sendo spoiler das diferenças entre um livro e outro, gosto de saber de certas coisas pra prestar mais a atenção na leitura.
      800 paginas já estou preparando os braços pra leitura.
      Não sei o que dizer mais , quero muito ler esse livro vai ser uma leitura agradável com certeza.

    Deixe uma resposta