resenha

A Maldição do Tigre – Colleen Houck

5 fev 2013
Informações

a maldição do tigre

colleen houck

arqueiro

série a saga do tigre #1

344 páginas | 2011

3.25

Design 4.5

História 2

Kelsey Hayes perdeu os pais recentemente e precisa arranjar um emprego para custear a faculdade. Contratada por um circo, ela é arrebatada pela principal atração: um lindo tigre branco. Kelsey sente uma forte conexão com o misterioso animal de olhos azuis e, tocada por sua solidão, passa a maior parte do seu tempo livre ao lado dele. O que a jovem órfã ainda não sabe é que seu tigre Ren é na verdade Alagan Dhiren Rajaram, um príncipe indiano que foi amaldiçoado por um mago há mais de 300 anos, e que ela pode ser a única pessoa capaz de ajudá-lo a quebrar esse feitiço. Determinada a devolver a Ren sua humanidade, Kelsey embarca em uma perigosa jornada pela Índia, onde enfrenta forças sombrias, criaturas imortais e mundos místicos, tentando decifrar uma antiga profecia. Ao mesmo tempo, se apaixona perdidamente tanto pelo tigre quanto pelo homem.

Design

A capa de A Maldição do Tigre é impressionante. É impossível entrar em uma livraria e não parar e voltar para ver de perto a capa metalizada. Só é um pouco estranho porque o efeito não está no centro do “rosto” do tigre, então fica ligeiramente esquisito um círculo sem efeito bem no meio da capa.

Esta é minha primeira experiência com a editora Arqueiro e fiquei bastante satisfeita com o resultado final do livro. O miolo é bonito, com uma mancha bem agradável de leitura. O texto respira bem nas margens e nas entrelinhas. Senti falta do cabeçalho com a informação autor/nome do livro.

Achei as páginas de abertura de capítulos elegantes, mas à primeira vista a fonte utilizada nos títulos não me pareceu “hindu”, me remeteu mais às letras árabes. Os arabescos florais também me deixaram um pouco em dúvida se tinham a ver com a arte indiana, porque eram um tanto quanto diferentes da moldura da capa.

Gostei da experiência de ter um “aperitivo” do próximo livro nas páginas finais, mas confesso que não li porque não queria spoilers.


História

Sabem… acho que ao final de A Maldição do Tigre eu cheguei a duas suposições: ou eu estou velha e não está mais dando para ler romances de “adolescentes”, ou Colleen Houck pegou extremamente pesado em todos os clichês possíveis de relacionamentos de livros YAs…

O livro começa bem, contado em primeira pessoa, às vezes com um linguajar um tanto rebuscado para uma jovem de 18 anos, contextualizando a vida comum de Kelsey até ela aceitar trabalhar em um circo em suas férias de verão. Lá ela ajuda a cuidar de um tigre branco e cria um vínculo com o animal.

A primeira coisa que me incomodou no livro foi quando Kelsey é “chamada para sua aventura”. “Vamos comigo para Índia levar o tigre branco para reserva?””Claro, já é!”… O.O Oi?! Cadê a dúvida, a ansiedade, a sensação de incapacidade? Onde foi parar a negação?! Quando Kelsey não negou o chamado para aventura ficou faltando um elemento de tensão que de alguma forma culminaria em ela mudar sua decisão e ir para Índia de qualquer jeito.

Quer um exemplo? Ela se nega a ir, a pessoa dá um cartão de visitas para que ela entre em contato caso mude de ideia. De noite, ela tem um pesadelo com o tigre sendo massacrado por caçadores e deixando a entender que a culpa era dela, por não ter ido junto. Ela acorda com a “necessidade” de fazer a viagem e proteger o tigre que é tão importante para ela. Faz bastante diferença, faz com que ela internalize ainda mais a ligação com este animal em especial.

Bem, okei, ela vai pra Índia. Aí jogam a bomba na cabeça dela: príncipe lindo-gostoso-über-maravilhoso, maldição, só ela que pode salvá-lo. Vocês acham que a Kelsey surta, entra em pânico, pede penico e quer voltar para casa, que é a coisa que qualquer pessoa normal sentiria?! Não! Super Kelsey acha tudo maneiro e super normal, vamos lá salvar o dia!…

A história progride, começam a aparecer as faíscas de segundas inteções entre nossa heroína e o príncipe, até que surge seu irmão mais novo gostoso! Triângulo amoroso formado. Pessoas!! Não, né!! Rapazes lindos e maravilhosos que só existem na ficção competindo pela atenção da mocinha!

Mas o pior de tudo na experiência de leitura de A Maldição do Tigre na verdade não foi a história em si, que é boa e com uma trama interessante. Afinal, a gente não vê muito de cultura indiana e sobre seu panteão de deuses por aí. O pior é a falta de amor-próprio e a extrema auto-crítica de Kelsey. Sério, do meio para o fim do livro, foi uma sequência de “bitch, please” e “facepalms” que beirou o insuportável. Meldelz, a personagem tem 18 anos, e fica em um mimimi interno infinito e em looping! “Você não me quer porque sou um rabanete, e ninguém pode gostar de rabanetes!” Por favor, se mata!

Acho que não tenho mais paciência para essas heroínas “sou um zero à esquerda”, com uma auto-estima tão baixa que chega até a dar nervoso. Talvez as autoras precisem se reinventar quando criam suas personagens, e assumir que certas facetas já estão muito batidas para serem repetidas à exaustão em todos os livros. Ou então estou finalmente entrando em uma ressaca literária de livros romancinhos-sobrenaturais… NOOO! u.u

Apesar de tudo, eu vou dar mais uma chance para a série. Vou comprar e ler O Resgate do Tigre, não por causa de Kelsey, que acho que não tem salvação, mas por causa de Ren, que foi o personagem que segurou toda a história.


Até a próxima! o/

Você também vai gostar

8 Comentários

  • Responder Isadora 16 abr 2015 at 16:02

    Samara, super ri com sua versão da resenha, eu li os 4 livros e amei, mas admito que fiquei frustrada com a Kelsey muitas vezes, mas o que segurou tudo foi Ren.

    • Responder Samara Maima 16 abr 2015 at 22:02

      Oi Isadora! Que bom que gostou da resenha. ^.^ Eu também gostei da série como um todo, mas a Kelsey dava uma arrastada na história de vez em quando e o que segurava eram Ren e Kishan. Viu que vai sair livros novos da Colleen em agosto/setembro? ^.^

  • Responder Michael Josh 24 out 2014 at 11:00

    Sinceramente, eu fiquei com um pé atrás em todas as resenhas que li sobre essa série… Me interesso muito pela cultura indiana e sou apaixonado pela Índia, o fato é que sempre que leio resenhas desse livro me deparo com uma descrição da junção de Crepúsculo (triângulo amoroso) e Cidade de Ossos (heroína bonita pra caramba, salvadora do mundo e do destino que sem ela ninguém sobrevive)… O pior é que a série parece ter elementos tão legais e eu não suporto clichês adolescentes… Vou tentar ler e ver se paro de preconceito.. rsrsrs

    Abraços.

    • Responder Samara Maima 28 out 2014 at 16:51

      Oi Michael!

      Sendo bastante sincera com você aqui, tá? Apesar de a história ter um base montada em cima de conceitos da mitologia indiana, o mais importante não é você necessariamente se envolver por ela. A história é muito mais do relacionamento conturbado do triângulo amoroso da personagem com os (literalmente) gatinhos-príncipes. Se você não curte clichês adolescentes, da mocinha linda-de-morrer-que-se-acha-feia, do triângulo amoroso, de Crepúsculo (“O” esteriótipo que define o estilo para quase todo mundo), não sei se você vai realmente gostar da Saga do Tigre.

      Acho que o que pega também é que é a história é totalmente “menininha”, voltada para um público feminino jovem. Então, já viu né… Só posso sugerir que você leia pelo menos os dois primeiros livros, já que o foco de cada um é em um irmão diferente. Se você se aventurar, depois me conte o que achou? ^.^

      Abs!

  • Responder [resenha] O Resgate do Tigre – Colleen Houck | Parafraseando Livros 30 abr 2013 at 10:37

    […] minha opinião sobre o design do livro que comentei na resenha do primeiro da série. Minhas únicas questões aqui são que o tigre negro da capa não ficou muito real para mim e a […]

  • Responder Dayane 8 abr 2013 at 10:53

    Oi,

    Nossa, você sinceramente me deixou com ‘um pé atrás’ acerca de ler esse livro rs’

    Principalmente porque você detalhou tudo aquilo que eu não suporto em livros; mocinha que fica lamentando ou tem baixa auto estima e essa falta de ‘sentimentos reais’ sabe? São esse sentimentos – a surpresa, o pânico, o medo, a alegria – que, quando detalhados em um livro, nos aproximam do personagem, e a falta deles nesse livro com certeza vai afetar a leitura pra mim.

    Mas, como sou persistente – e teimosa kk’ – vou ler, e tirar minhas conclusões.

    P.s; a capa é tão absurdamente linda *–*

    ~> Beijusss…;*

    • Responder Samara Maima 11 abr 2013 at 19:29

      Poxa Dayane! Espero que mesmo com o “pé atrás” por causa da minha resenha isso não impeça que você conheça o livro! Não considerando os motivos que deixam a história “cliché” a narrativa é boa e a autora, Colleen Houck, escreve bem.
      Pense assim, como eu não deixei suas expectativas lá no alto, você pode ter uma ótima surpresa e acabar gostando do livro, né?!
      Depois, se quiser, passe por aqui e me conte se você concordou comigo ou se teve uma opinião diferente.
      Abraços!

  • Responder novas aquisições do blog #24 | Parafraseando Livros 8 abr 2013 at 10:31

    […] recente no blog, não gostei tanto, mas precisava continuar lendo é A Saga do Tigre. Você pode relembrar a resenha aqui e esperar para ver/ler o que eu vou achar da continuação da […]

  • Deixe uma resposta