novas aquisições do blog #75 – especial bienal

Yey que a Bienal já acabou tem tempo e eu sou uma péssima cumpridora de promessas. Quando eu entrei de férias eu disse que ia cuidar mais do blog, me acabar nas leituras, organizar as pendências… Você fez isso? Eu também não. Entrei de férias com tudo. Obviamente não parei de ler, mas fazer as coisas que eu me comprometi… aí são outros quinhentos.

De qualquer forma, antes tarde do que nunca. Esse é um post XI-GAN-TE com minhas compras da Bienal 2015. Eu falei como foi o perrengue meu dia em um post só sobre o evento, que você pode ler aqui. Vem ver os livros dessa pilha enorme depois do pulo.

Pilha de compras Bienal 2015

Leia mais…

Bienal do Rio 2015 – Eu fui

17ª Bienal Internacional do Livro - Rio de Janeiro 2015De dois em dois anos é sempre a mesma loucura. Bienal do Livro no Rio! \o/ YEAAAAH-YUHUHH Tenho tentado sempre coincidir minha férias com a época do evento para tentar não ir nos fins de semana.

Por volta de abril/maio eu já começo os meus preparativos pessoais para ir na Bienal, o que significa “lista de livros desejados”. Isso é uma coisa que eu não consigo ficar sem quando vou ao evento. É nessa lista que eu anoto os preços dos livros de pesquisas online, para comparar com o dia que eu for na loucura, e é assim que sei se vale ou não à pena realmente comprar o livro na Bienal.

Mapa da Bienal e lista de livros desejados

Outra coisa importante é o mapa esquemático dos stands. Normalmente você só consegue acessar esse mapa no site da Bienal a partir de julho/agosto mas a tendência é existir pouca variação até a abertura oficial do evento.

Agora, pausa para momento para um breve mimimi.

Acho que já comentei em outros posts sobre a Bienal, mas tenho uma visão provavelmente diferente da maioria das pessoas que frequentam o evento. Minha intenção sempre foi comprar livros. Entrar nos stands customizados das editoras, me sentir abraçada e cercada por todo aquele catálogo infinito de livros e torrar o meu dinheiro. Só que nos últimos anos isso tem ficado bem difícil e cansativo.

Para os que não moram no Rio, a Bienal acontece em um dos bairros mais afastados dos principais “centros urbanos residenciais”. Se você não mora no Recreio/Barra/Jacarepagua (e redondezas) pode contar com pelo menos 2h de deslocamento. Só para ir! Some-se a isso custo do transporte ou da gasolina, se você estiver indo de carro (como foi no meu caso), estacionamento, entrada e almoço, porque você vai sofrer toda essa viagem e não vai ficar só uma horinha no evento. Some-se, ainda, a isso toda a modificação que o Rio está passando para as Olimpíadas e as obras insuportáveis, que se traduzem em engarrafamentos intermináveis…

Estou parecendo uma velha chata reclamando, mas porque provavelmente é nisso que eu estou me tornando. Acho que não tenho mais disponibilidade para me deslocar tanto assim, gastar tanto dinheiro para estar no evento e os livros em si não serem “acessíveis”. Desculpa, mas não vou pagar o preço full de capa de um livro. Se eu quisesse gastar meu dinheiro assim eu posso ir em qualquer livraria.

E eu não sou dessas que encara chegar 7h-8h da manhã para ficar em uma fila esperando abrir o evento, para ir para outra fila para pegar uma das mínimas senhas disponíveis para um autógrafo com este ou aquele autor. Já me questiono quando é evento de editoras e acontece esse tipo de coisa, imagina um evento no fim do mundo?! O.o

Então, é, provavelmente essa se encaminha para ser uma das minhas últimas Bienais. Também porque não tenho mais paciência para pessoas mal educadas entupindo os stands, se metendo na sua frente, correndo, gritando… #velhachata Consigo comprar todos os livros que quero em promoções do Submarino/Americanas/Amazon no conforto da minha casa e por preços muito mais convidativos.

Sei que é uma forma de aproximar as editoras dos leitores, uma celebração da literatura, mas não sei se o evento tem mais alguma coisa a ver comigo. ¯\_(ツ)_/¯

Mimimis de velha chata à parte, tirei fotos de alguns dos stands que visitei para mostrar para vocês. Minha Bienal meio que se resumiu praticamente ao Pavilhão Azul, aonde estavam as maiores editoras do evento. Vem ver!

Grupo Editorial Record

Era um dos maiores stands do pavilhão azul, e tinha livros de praticamente todos os selos do grupo espalhados nas mesas e estantes. Na minha lista de desejados era uma das editoras que tinha mais livros que eu queria comprar, mas foi uma das que eu saí de mãos abanado. =/ Os preços eram de capa com 20% de desconto, se bem me lembro, mas não era uma variação que fazia com que os livros ficassem próximos dos valores que eu achei online.

Grupo Editorial Record

Grupo Editorial Record Grupo Editorial Record

Valentina

O stand da Valentina estava muito mais elaborado do que o de 2013, com vitrines e estantes, mas também saí de mãos abanando (de livros, mas peguei alguns marcadores). A promoção era de desconto progressivo, 10% no primeiro livro, 20% em dois e 30% em três ou mais. Só acho que eu sou muito preguiçosa para ficar fazendo contas enquanto escolho o que eu quero ou não comprar. Seria muito mais prático que todos os livros já estivessem com pelo menos os valores dos 10% de desconto.

Editora Valentina

Arqueiro/Sextante/Saída de Emergência

Se você quisesse livros de colorir, o stand da Arqueiro/Sextante era o que tinha os mais legais. Principalmente com o lançamento dos três do Maurício de Souza/Turma da Mônica. Os livros da Saída de Emergência estavam com preços interessantes, os romances de época saíam todos praticamente por R$19,90 e no cantinho perto do caixa existiam um nichos com livros por até R$9. Aqui comprei dois livros. ^.^

arqueiro_02

Editora Arqueiro/Sextante/Saída de Emergência Editora Arqueiro/Sextante/Saída de Emergência Editora Arqueiro/Sextante/Saída de Emergência

Novo Século

Na Novo Século eu fui procurar uma série para meu irmão, que ganhou o terceiro volume mas não tinha os anteriores. E tentar completar minha série da “mardita” :P, com Redimida. Mas os descontos também não estavam interessantes.

Editora Novo Século

Rocco

A Rocco tinha desconto de 20% em todos os livros (de novo você que tinha que fazer as contas), mas nenhum dos que eu queria, de uma lista considerável, ficavam com valores legais mesmo depois da matemática para descobrir o preço final. Nada de Licia Troisi, Raphael Draccon, Carolina Munhoz, Marie Lu para mim… =/

Editora Rocco

Depois de visitar esses stands, meu marido e eu fizemos uma pausa para almoçar, porque ninguém sobrevive de barrinha de cereal e frutas secas. :P

Moderna/iD

Fui visitar o stand da Moderna mais para ver se teria algum saldão da iD, que foi descontinuada. Realmente, os livros do selo estavam bastante convidativos, com preços variando de R$5,50 a R$16. Aproveitei para comprar um, e pedi para minha mãe visitar novamente no último domingo para tentar garantir outros livros. Aproveitei e também comprei um livro infantil para meu sobrinho.

Editora Moderna/iD

LeYa/Fantasy/Casa da Palavra

A LeYa tinha uma fila enooooorme de pessoas só para sentar no trono. XD Aqui eu aproveitei para conseguir o reembolso da entrada do meu marido, então gastei pelo menos R$80 nos livros que selecionei, mas os preços não estavam tão maravilhosos. Pelos menos os que escolhi levar estavam com preços iguais ou levemente mais baratos do que os da internet.

Editora LeYa/Fantasy/Casa da Palavra Editora LeYa/Fantasy/Casa da Palavra

Novo Conceito

A Novo Conceito estava lotada de adolescentes, principalmente porque foi o momento em que o Rafael Moreira, de Diário de um Adolescente Apaixonado, apareceu no stand para dar autógrafos. Intransitável e com preços normais. Queria os livros da Bella Andre, mas estavam todos R$20. Nada para mim aqui.

Editora Novo Conceito

Editora Novo Conceito Editora Novo Conceito

V&R

Entrei de olho em Maze Runner e Perdão Mortal, mas estavam R$42 cada livro de Maze e também o lançamento da Robin LaFevers. O box da série, com cinco livros e desconto “especial”, saía por R$162… u.u

V&R Editora

Companhia das Letras

A Companhia é uma das que tem mais selos hoje em dia. Seguinte, Paralela, Suma, tudo junto aqui, mas os livros que eu mais queria, O Círculo Rubi, Conquista, a trilogia da Rachel Van Dyken, e os livros da J.A. Redmerski estavam todos com preço full.

Companhia das Letras

Companhia das Letras Companhia das Letras

Intrínseca

A Intrínseca, assim como em 2013, foi meu stand do shut up and take my money. Foi de onde eu saí com a maior quantidade de livros e que tinha mais áreas de descontos. Livros de R$5 e R$9 em várias estantes de um dos lados do stand. Completei a série Feita de Fumaça e Osso e ainda comprei outros livros independentes. Pena que os volumes do Legado Loren estavam com preços full, queria ter levado também.

Editora Intrínseca Editora Intrínseca

Universo dos Livros

A Universo anda investindo bastante em literatura (erótica) feminina, mas o que eu sempre volto para buscar é a (infindável) série da Irmandade da Adaga Negra. O livro mais recente, Os Sombras, estava em destaque mas eu não tinha achado o preço online, então não soube dizer se os R$30 estavam ou não valendo a compra (olhando hoje na Amazon, está R$39,90 =/). Por isso, ele ficou por lá.

Editora Universo dos Livros


Saldo final: engarrafamento, estacionamento, ingresso, almoço, um pé torcido (de novo), cansaço, leve irritação, frustração com os preços… Não sei se em 2017 pretendo passar por isso de novo.

Minhas compras eu vou mostrar em um post de Aquisições, especial de Bienal. Aguardem.

E vocês? Já estão se preparando para a Bienal de São Paulo ou vocês também já se desiludiram dessa coisa toda. :P

Até a próxima! o/

A Caminho do Verão – Sarah Dessen

Capa

Informações Técnicas

Título
a caminho do verão
Série
---
Autor
sarah dessen
Editora
id
Páginas
416
Publicado em
2011

Avaliação

3.25
Design
4
História
2.5

Auden resolve passar as férias de verão em Colby, uma minúscula cidade do litoral, com o pai, sua nova esposa e Thisbe, a filha do casal e sua mais nova irmãzinha. Lá, ela revê seus conceitos em relação à madrasta, encara um emprego de férias em uma boutique totalmente demais e conhece Eli, um garoto misterioso com o qual embarca em uma busca: experimentar uma adolescência sem preocupações que lhe foi negada enquanto ele procura se recuperar de um acontecimento trágico. Junte dois solitários, uma bicicleta, um estoque infindável de madrugadas com insônia, tortas e café e… tudo pode acontecer.

Leia mais…

Top 5 2014

Chegou aquele momento do ano que a gente faz uma retrospectiva de tudo o que aconteceu em 2014 e vê “no que deu”. No caso do blog, é o momento de rever os livros que eu li até o momento e fazer uma singela listinha dos TOP5 de 2014! \o/

Separei o post em algumas categorias e vocês podem me dizer se concordam ou quais seriam as suas escolhas. Engraçado é que olhando minha estante de lidos do ano, apesar de ter alcançado 70+ livros (segundo o Skoob), fiquei com a sensação de “podia ter feito melhor”. =/ Não me julguem, mas sei lá, ficaram faltando “só” 30 para alcançar 100… #maníaca

Vem comigo descobrir meus favoritos entre os lidos do ano! Só avisando que não coloquei ordem de preferência entre os selecionados e não necessariamente os livros foram lançados em 2014.

Favoritos dos favoritos de 2014

Esses foram os meus favoritos entre todos os livros e gêneros que eu li ao longo do ano. Não que tenha muita variedade, afinal sou relativamente previsível quanto às minhas preferências de leitura…

top5_favoritos1

top5_favoritos2


Melhores capas

Capas são o chamariz e o que pode convencer um leitor a comprar o livro. Esse ano foi recheado de capas muito bonitas, muitas fotográficas, algumas com um investimento em um trabalho visual muito mais tipográfico. Dos livros que li, a editora Saída de Emergência conseguiu emplacar duas capas visualmente interessantes, não só pelo layout, mas também pelo projeto físico do livro.

top5_capas1

top5_capas2


Melhores Carinhas

Escolher os personagens favoritos foi difícil, tanto para o rapazes quanto para as moças. Afinal a gente cria um certo relacionamento com eles ao longo de suas histórias. É quase como escolher entre seus melhores amigos… O.o

top5_carinhas1

top5_carinhas2


Melhores Mocinhas

Mesmo problema dos gatinhos, mas é um pouco mais fácil porque tem a questão da identificação. Gosto quando as protagonistas são femininas mas ao mesmo tempo ativas e não mocinhas em perigo.

top5_mocinhas1

top5_mocinhas2


Melhor Hot/Romance/New Adult

Juntei tudo em um item só, já que não tenho representantes suficiente para colocar separadamente. Em 2014 ficou claro para mim que eu adoro esses estilos de leitura, preciso de um livro mais “interessante” entre as leituras de fantasia e young adults para dar uma “animada”. Além disso, Sylvia Day tomando conta do top, já que agora quase todas as editoras tem sua cota da autora para lançar.

top5_hot1

top5_hot2


Melhor Fantasia/Sci-Fi

Mesmo caso do item anterior, não tinha contestantes suficientes separadamente. Fico pensando que eu queria ler mais Sci-Fi, então acho que em 2015 vou atrás do catálogo da Aleph, que é especializada basicamente em livros de ficção científica…

top5_fantasia1

top5_fantasia2


 Melhores Young Adults

Por incrível que pareça, li poucos young adults comparado com anos anteriores. Estarei ficando “vélea”? XD

top5_ya1

top5_ya2


Mais aguardados de 2015 (ou o que eu gostaria muito de ler em 2015)

O sexto volume das Crônicas de Gelo e Fogo, Winds of Winter, é uma promessa eterna pairando sobre nossas cabeças. Enquanto o bom velhinho Sr. George R.R. Martin não nos atualiza com uma previsão de publicação, eu consigo mais tempo para terminar de ler A Dança dos Dragões.

Outra promessa é a LeYa finalmente lançar o último volume da série de Charlaine Harris, Grave Secret. Preciso completar minha coleção e saber o que acontece com Harper Connelly e seu “irmão” Tolliver! >o<

Apesar de ainda não ter lido o terceiro livro dA Roda do Tempo, espero ansiosamente pelo lançamento dos volumes seguintes. Queria que o próximo, The Shadow Rising, chegasse no primeiro trimestre de 2015.

Gostei bastante do mundo criado por C.J. Redwine em Desafio, e espero que a Novo Conceito não demore muito para lançar as continuações. Se as duas saírem ano que vem vai ser muito bom!

E por último, Half Wild, a continuação de Half Bad de Sally Green está prevista para sair lá fora em março, vamos ver quanto tempo a Intrínseca vai demorar para trazer para cá.


Para fechar este post enooorme com minha seleção do ano deixo mais duas categorias que só tem um livro cada. Com vocês a Surpresa e a Decepção do ano!

Surpresa do ano

Como vale qualquer livro que li ao longo de 2014, escolhi um e-book em inglês que ainda não saiu por aqui. The Dare foi um achado/uma indicação ao terminar uma leitura e foi um dos livros mais divertidos do ano, que me fez ficar acordada lendo até 3h da manhã. Então o “prêmio” vai para o terceiro volume da série The Bet, da Rachel van Dyken.

The Dare - Rachel van Dyken


Decepção do ano

Tudo bem que eu não espero muito de Lauren Kate, não tenho uma recordação muito boa da autora depois de ler duas vezes Fallen e continuar com a mesma (má) impressão. Mas eu esperava que o plot interessante de Teardrop fosse redimir a autora, só que não… =/ Teardrop é fraco, e quase foi uma perda de tempo…

Teardrop - Lauren Kate


Esse foi o meu 2014. Que venha 2015 e uma meta maior de leitura! \o/ #loka

Até a próxima! o/

Froi: um exilado – Melina Marchetta

Capa

Informações Técnicas

Título
froi; um exilado
Série
as crônicas de lumatere #2
Autor
melina marchetta
Editora
id
Páginas
616
Publicado em
2013

Avaliação

3.75
Design
3.5
História
4

Três anos após cair sob a maldição de Lumatere, Froi encontrou um novo lar, ou ao menos isso acredita. Ferozmente leal a Finnikin e a rainha, Froi treinou para formar parte da Guarda da casa real, jurou proteger o reino e aprendeu a controlar seu temperamento. Mas quando o enviam à uma missão secreta no reino de Charyn, ele não está preparado para o que encontrará lá. O povo está sofrendo, e parece que existem laços sombrios de parentesco com a princesa enlouquecida que deve desmascarar. Nesse cenário desolado Froi descobrirá que existe uma canção que acalma o sangue, e ainda que custe aceitar, entenderá que há chegado o momento de parar e escutar.

Leia mais…

Semana Fantástica iD – Subgêneros de Fantasia

Semana Fantástica iD

Olá Pessoas! Estão acompanhando a semana sobre Fantasia aqui no blog? Já coloquei no ar um post abrangente sobre o que é Fantasia, duas resenhas de livros do gênero lançados pela iD, e hoje vocês vão conhecer um pouco sobre os subgêneros do estilo.

Não consegui encontrar nas interwebs um consenso sobre quais são os subgêneros de Fantasia que existem no mercado literário. Não achei um artigo da Universidade de Massaxucitz oficializando a listagem dos tipos possíveis de narrativas dentro do gênero de Fantasia. Até é compreensível, visto que a literatura é um “organismo” vivo e pode mudar e evoluir o tempo todo.

Então, vou criar uma sugestão não-oficial de subgêneros a partir da pesquisa que fiz no Oráculo, mantendo os termos em inglês para não correr o risco de fazer uma tradução/adaptação chumbrega, ok? Além disso, sempre que o estilo possuir livros publicados no Brasil vou colocá-los como exemplos para facilitar o entendimento.

Vem comigo! o/


Uma das fontes que encontrei divide a Fantasia em dois pilares: a High Fantasy e a Low Fantasy. Dentro deles se encaixariam todos os outros subgêneros mais conhecidos. Mas as outras colocavam todos os estilos no mesmo patamar, então vou seguir nessa linha de raciocínio. (os subgêneros estão em ordem alfabética)

Alternate World: envolvem mundos diferentes escondidos dentro ou em paralelo ao nosso. Antigamente, quando o planeta ainda não era totalmente mapeado, era possível encontrar histórias de terras misteriosas como no livro de Johnathan Swift, As Viagens de Gulliver. Depois, quando já tínhamos uma ideia mais concreta dos continentes, Lewis Carroll criou um mundo dentro de um espelho em Alice Através do Espelho.

Arhurian: são histórias contadas no mundo do Rei Artur, na lendária Camelot. Exemplos famosos são A Espada na Pedra, de T.H. White, e a saga As Brumas de Avalon, de Marion Zimmer Bradley.

Bangsian: é relativa principalmente a um autor do século 19, John Bangs, e lida basicamente com histórias sobre o além-vida.

Celtic: é criada a partir do vasto conhecimento dos celtas, vindos principalmente, mas não somente, da Irlanda.

Christian: costuma ser um subgênero mais raro, em parte porque muitos “crentes” oficialmente intimidam toda a questão da fantasia, assim como os especialistas do gênero também o evitam. Muitas novelas de C.S. Lewis poderiam entrar nesta classificação.

Comedic: é um subgênero relacionado ao humou e/ou à sátira. Os livros de Terry Pratchett da série Discworld são um bom exemplo.

Contemporary: aqui as criaturas mágicas estão escondidas entre nós. Essas histórias são desenvolvidas nos tempos atuais, com situações estranhamente familiares. Os livros de Neil Gaiman, Deuses Americanos e Lugar Nenhum dão uma ideia do que é Contemporary Fantasy.

Court Intrigue: é um subgênero definido pelas histórias que acontecem em castelos da realeza, com algum viés histórico (mas com magia), ou em algum mundo alternativo. A série de George R.R. Martin, As Crônicas de Gelo e Fogo, é um bom exemplo do estilo.

Dark: suas histórias costumam se interligar e sobrepor com horror ou até mesmo com uma atmosfera mais gótica.

Dying Earth: é um pouco literal, e as histórias se desenvolvem no cenário do fim/destruição do planeta. Normalmente a humanidade é cercada por tédio e certa descrença, enquanto o mundo se desfaz. Apesar de a narrativa de George R.R. Martin em A Morte da Luz não se passar necessariamente na Terra, ela aborda o tema do fim de um planeta.

Erotic: como o nome diz, os livros contém um forte elemento sexual. Apesar de a série Trilogia das Jóias Negras, de Anne Bishop, ter uma forte aproximação com o estilo Dark, ela também poderia entrar nesta categoria.

Heroic: é centrada em um herói conquistador, ou um “bando” de heróis; ainda que eventualmente o esteriótipo do gênero heróico seja desenvolvido com vilões perdoáveis e protagonistas falhos.

High ou Epic: é considerada por muito leitores o coração e a essência do gênero de Fantasia. Mundos inteiros são criados, com longas histórias e estilos de vidas vívidos, além de uma longa lista de personagens. O Senhor do Anéis, obra máxima de Tolkien, domina completamente este subgênero. Outro bom exemplo é a série A Roda do Tempo, de Robert Jordan.

Historical Fantasy: é a resposta do gênero para a ficção histórica. Um período específico da história da Terra se torna o cenário, mas com elementos fantásticos misturados. Um bom exemplo é a série de Guy Gavriel Kay, Tigana.

Historical High Fantasy: é uma variação do subgênero Historical, em que as histórias são vastas e tão detalhadas que se assemelham à High Fantasy.

Juvenile: é uma categoria abrangente, que se sobrepõem com os gêneros Infantil e Young Adult, em que as histórias são escritas para uma audiência mais jovem. O Hobbit, de Tolkien, e O Mágico de Oz de L. Frank Baum são exemplos perfeitos.

Low Fantasy: também é uma categoria abrangente e descritiva. Suas histórias são escritas sem as paisagens arrebatadoras e o heroísmo mais sério em uma clara oposição, talvez não necessariamente consciente, do subgênero High Fantasy. Alguns ligam o estilo ao subgênero Sword & Sorcery. Em outra definição, Low Fantasy é visto como histórias que se passam em um cenário mais comum, com menos magia. 

Medieval: é definida por seu nome, e é um subgênero em que as histórias são desenvolvidas neste período, entre o “arcaico” ou o mundo Arturiano e  a era industrial moderna. Elas são repletas de cavaleiros e patifes, normalmente junto com feiticeiros e dragões. Muitos dos subgêneros de Fantasia, ambientados na Terra ou em qualquer outro mundo, possuem uma sensação “pseudomedieval”, com a descrição do cenário ou das vestimentas.

Mythic: é uma vasta categoria. Em geral as histórias são desenvolvidas em “nossa” Terra e incorporadas com mitos existentes. Os Filhos de Anansi, de Neil Gaiman, e toda a série de Percy Jackson, de Rick Riordan são ótimos exemplos deste estilo.

Quest: envolvem somente a realização de uma missão. É uma categoria descritiva, em que o protagonista está envolvido em alguma missão perigosa e envolvente. O livro A Primeira Regra do Mago, de Terry Goodkind é um bom exemplo desse tipo de subgênero. 

Romantic: é a incorporação dos temas que normalmente envolvem os gêneros Fantasia e Romance, normalmente são comercializados como “romance paranormal”.

Science Fantasy: é um subgênero onde a alta tecnologia costuma se sobrepor ou coincidir com elementes comuns à fantasia tradicional. A série Darkover, de Marion Zimmer Bradley é um exemplo <3 (sou apaixonada por essa série e sofro constantemente porque a Imago nunca terminou de publicar os livros da autora aqui…).

Steampunk: assim como o Science Fantasy, é um estilo que incorpora elementos tecnológicos com fantasia. A questão aqui é que a tecnologia é normalmente movida a vapor e pode ser capaz de feitos fantásticos, quase mágicos. O livro A Corte do Ar, de Stephen Hunt, é um exemplo icônico. Alma?, de Gail Carriger, também possui elementos steampunks na história.

Superhero: seja em filmes, quadrinhos ou em livros, personagens como Superman e Thor são familiares para muitos leitores. Alguns autores costumam criar seus próprios super-heróis, incorporando esteriótipos conhecidos. Os protagonistas podem receber suas habilidades especiais de magia, tecnologia ou qualquer outro artifício, e usualmente eles excedem qualquer coisa que a ciência acha plausível.

Sword & Sorcery: as histórias são incorporam o aspecto de ação ininterrupta relacionado com a fantasia, com “poderosos bárbaros” atravessando um campo sangrento em seus mundos “pseudomedievais”. Os livros de Robert E. Howard que contam as histórias de Conan são, talvez, os tomos fundadores do gênero.

Urban Fantasy: essas histórias são ambientados em um cenário moderno e urbano. Lobisomens vivem em estações abandonadas do metrô, ou fadas se escondem em pequenos espaços nos domitórios dos campus de faculdade. Os livros da série Sookie Stackhouse, de Charlaine Harris, são bons exemplos do estilo.

Vampire: originalmente este subgênero pertencia a categoria de horror, e muitos livros ainda se encaixam lá. Entretanto, muito livros recentes foram sobrepostos com os gêneros Romance e Young Adult, e suas histórias talvez se encaixem melhor na “seção” de Fantasia. Em geral, cada autor cria suas regras sobre o estilo de vida dos vampiros, suas habilidades e fraquezas. Exemplos icônicos do gênero são os livros Drácula, de Bram Stoker, e O Vampiro Lestat, de Anne Rice.


Ufa! Eu imaginava que existiam muitas classificações, mas não fazia ideia do volume real de possibilidades! O.O

Já pararam para pensar em qual dos subgêneros seus livros favoritos se enquadram? ^.~

Até a próxima! o/

fontes: Fantasy Subgenres, Wikipedia, Best Fantasy Books, Fantasy Fiction (1, 2), Book Country

O Tesouro dos Pródigos – Paul Stewart e Chris Riddell

Capa

Informações Técnicas

Título
o tesouro dos pródigos
Série
wyrmeweald #1
Autor
paul stewart e chris riddell
Editora
id
Páginas
432
Publicado em
2011

Avaliação

3.25
Design
3.5
História
3

Micah, um jovem explorador, está decidido a encontrar sua fortuna e parte em uma busca nas terras altas do Wyrmeweald. O local é habitado por Wyrmes, criaturas ferozes e apavorantes, e oferece muitos perigos aos que o atravessam. Embora não seja um lugar para seres humanos, Micah encontra ali companheiros e inimigos para a vida toda, além de descobrir algo mais cobiçado que qualquer Tesouro dos Pródigos. Um único ato impensado pode transformá-lo em vilão; porém, no Wyrmeweald, sempre há uma chance de se tornar herói…

Leia mais…

Finnikin: O Guerreiro – Melina Marchetta

Capa

Informações Técnicas

Título
finnikin: o guerreiro
Série
crônicas de lumatere #1
Autor
melina marchetta
Editora
id
Páginas
424
Publicado em
2012

Avaliação

3.5
Design
3.5
História
3.5

Aos nove anos de idade, Finnikin está no alto da rocha das três maravilhas com o Príncipe Balthazar e Luciano, seus melhores amigos. Juntos firmam um pacto de sangue para proteger seu reino, Lumatere. Mal sabem eles que em seguida ocorrerão os “cinco dias do inominável”, durante os quais a família real é brutalmente assassinada, um rei impostor assume o trono e uma maldição cai sobre aqueles que permanecem entre os muros do reino. Os que fogem ficam fadados a vagar como exilados.

Dez anos se passam, e Finnikin é chamado para se encontrar com Evanjalin, uma jovem noviça com uma afirmação espantosa a fazer: Balthazar, herdeiro do trono, está vivo, e ela pode encontrá-lo. Será que, depois de tanto tempo, ainda há esperança para Lumatere e seu povo? A verdade surpreendente por trás dessa história colocará em prova a fé de Finnikin em si próprio e no seu destino.

Leia mais…

Semana Fantástica iD – A Fantasia

Semana Fantástica iD

Bem-vindos à Semana Fantástica iD! Nos próximos dias vocês vão poder acompanhar posts sobre livros de fantasia lançados pela editora iD e também algumas informações sobre esse gênero pelo qual eu sou apaixonada, e que ganha cada vez mais espaço nas prateleiras das livrarias e das nossas estantes.

Venham comigo descobrir um pouco mais sobre a Fantasia! Que nossa jornada mágica comece! ^.^


O que é Fantasia na literatura?

A ficção fantástica pode ser definida pela presença de magia e elementos sobrenaturais em suas histórias. Apesar de a Fantasia dividir algumas características semelhantes com a Ficção Científica, o que no final as distingue é que a Fantasia não precisa ser cientificamente possível, mesmo se tratando de um futuro distante.

A Fantasia é caracterizada por uma construção intricada de “universo”, e normalmente suas histórias ocorrem na Terra ou em um mundo diferente, em nosso passado ou presente, ou em um momento fora do tempo. Os mundos de Fantasia são populados por seres e criaturas míticas (dragões, unicórnios, elfos…) e/ou paranormais (vampiros, lobisomens, metamorfos…).

As narrativas normalmente giram em torno de uma batalha do bem contra o mal, e as séries fantásticas tendem a se concluir com a derrota do antagonista. O protagonista costuma possuir uma habilidade mágica que o ajuda a triunfar sobre o mal. Talvez os dois subgêneros mais populares da Fantasia atualmente sejam a High/Epic Fantasy e a Urban Fantasy (vou tratar sobre os subgêneros em um post futuro ^.~).

Eu já comentei algumas vezes sobre a Jornada do Herói, definida por Joseph Campbell, e na maioria das vezes, é possível identificar nas histórias de Fantasia todo o percurso da jornada feito pelo herói/protagonista do livro. No vídeo abaixo, uma palestra do TED, vocês podem ver uma explicação sobre o Monomito (em inglês).

A história da Fantasia

Não é nada fácil de definir quando a Fantasia moderna realmente começou. Sua origem pode ser traçada através dos primeiros documentos escritos da humanidade de que se tem conhecimento, A Epopeia de Gilgamesh, mas também em vários outros textos famosos de diversas culturas. A Odisseia, Beowulf, o Mahabharata, As Mil e Uma Noites, A Ilíada, Ramayana, as lendas Arturianas, todos estes exemplos são representados por bravos heróis e heroínas que enfrentam monstros terríveis em reinos arcanos e mágicos, e são responsáveis por inspirar inúmeras audiências.

Acredita-se que a história da Fantasia moderna começou com George MacDonald, o autor escocês das novelas The Princess and the Goblin e Phantastes, esta considerada a primeira fantasia escrita para adultos. Além disso, foi uma grande influência para J.R.R. Tolkien e C.S. Lewis. Apesar da valor que MacDonald ou dos livros de H.G. Wells tiveram nos futuros escritores, foi somente a partir do século 20 que a ficção fantástica começou a alcançar um vasto público.

Nas primeiras décadas do século 20 autores como H. Rider Haggard (As Minas do Rei Salomão), Rudyard Kipling (O Livro da Selva) e Edgar Rice Burroughs (Uma Princesa de Marte) definiram o que ficou conhecido como o sub-gênero “mundo perdido”. Era uma forma muito popular de fantasia, assim como vários clássicos para crianças como Peter Pan e O Mágico de Oz.

Inicialmente o estilo era considerado mais aceito quando escrito para jovens e crianças do que para adultos. Então, quando autores desejavam escrever fantasia, eles precisavam ajustar suas histórias para o público infantil. Por muitos anos livros como Alice no País das Maravilhas e até mesmo O Senhor do Anéis, foram classificados como literatura infantil.

Em 1923, com o surgimento das revistas pulp focadas completamente no gênero fantástico, o mercado viu explodir a popularidade do estilo. As revistas foram responsáveis por trazer a ficção fantástica para uma audiência muito mais ampla nos EUA e na Inglaterra. Elas também foram importantes para o surgimento da Ficção Científica, e é por isso que os dois gêneros são muitas vezes associados um ao outro.

Foi com o advento da High Fantasy, muito por conta dos livros O Hobbit e O Senhor dos Anéis de J.R.R. Tolkien, que o gênero conseguiu alcançar picos de popularidade, e permitiu que a Fantasia verdadeiramente encontrasse espaço para o público mais mainstream. Outras séries importantes, como As Crônicas de Nárnia de C.S. Lewis e Earthsea de Ursula K. Le Guin, ajudaram a cimentar as conquistas do gênero e sua popularidade.

O século 21 viu o gênero fantástico continuar com sua escalada de popularidade, e ficou evidente sua aceitação pelo sucesso de séries como Harry Potter de J.K. Rowling, e sua escola de bruxos; As Crônicas de Gelo e Fogo de George R.R. Martin, e suas intrigas políticas; e as séries de Rick Riordan, Percy Jackson e As Crônicas de Kane, que focam em mitologia Grega/Romana e Egípcia, respectivamente.

Terminando de consolidar o espaço que a literatura fantástica conseguiu no mercado, os filmes com status de blockbusters que derivaram de grande sucessos literários, ajudaram a atingir ainda mais novos leitores, e aumentar o interesse pelo gênero, elevando a busca por novos autores e clássicos na livrarias.


Livros de fantasia que precisam ser lidos

Os livros listados aqui foram livremente influenciados pelas listas da Time e da IGN, com uma ou outra colaboração pessoal.

Existem muitos outros livros clássicos e icônicos que não estão nesta lista, muitos deles ainda nem foram lançados no Brasil. Mas alguns aqui mudaram minha vida como leitora, e me moldaram na pessoa que sou hoje em dia (não muito normal, mas né… fazer o quê? ^.^)

Livros de autores brasileiros que também valem uma olhada!


Seu livro de fantasia favorito não está aqui? Me conte qual é nos comentários, vou adorar colocar na minha lista de desejados do Skoob! ^.~

Até a próxima! o/

fontes: Wikipedia e Book Country;

top livros de literatura fantástica: IGN e Time

Solo Consagrado – Cynthia Hand

Capa

Informações Técnicas

Título
solo consagrado
Série
sobrenatural #2
Autor
cynthia hand
Editora
id
Páginas
408
Publicado em
2012

Avaliação

3.75
Design
4
História
3.5

Durante meses, Clara Gardner havia treinado para lidar com o grande incêndio que aparecia em suas visões. Ela só não estava preparada para a escolha que teria de fazer no momento em que tudo veio a acontecer… No final das contas, Clara acabou descobrindo que nada em ser metade anjo era exatamente como ela imaginava.

Agora, dividida entre seu amor por Tucker e seus sentimentos cada vez mais confusos sobre o papel que ela e Christian exercem neste mundo, Clara tem de lutar contra uma revelação bombástica: alguém que ela ama morrerá dentro de alguns meses.

Com seu futuro incerto, a única coisa da qual Clara tem certeza é de que o incêndio fora apenas o início…

Leia mais…

Página 1 de 41234