Pesquisa de satisfação e levantamento sobre os leitores do Parafraseando Livros

Olá, Pessoas. Fechando mês de março, tem PROMOÇÃO E PESQUISA pra vocês!

pesquisa-satisfacao_2017

O blog fez 7 anos e eu queria conhecer melhor todos os leitores que puderem e quiserem participar de uma pesquisa de opinião.

Funciona assim:

  • Responda à pesquisa abaixo (continue lendo que você chega no formulário);
  • Todas as informações sobre como participar da promoção valendo um exemplar de “A Canção do Sangue”(da LeYa Brasil) estão nas instruções do questionário.
  • Divulgue/Compartilhe com seus amigos que você acredite que conheçam o blog

Sei que todo mundo gosta de uma promoção, mas ficaria MUITO AGRADECIDA se as respostas ao questionário fossem o mais sinceras e honestas dentro do possível. Lembre que o sorteio é o meu obrigada por você ser um seguidor e por querer me ajudar a produzir um conteúdo que agrade ainda mais a você.

Participe da promoção, mas me ajude a ser melhor, combinado? ^.~

Vou deixar o formulário aberto até 21/4, podendo estender o prazo dependendo do número de participantes/respondentes.

Obrigada por tudo, participem, e boa sorte! o/

Semana Aconteceu Naquele Verão – Intrínseca

Então! A Intrínseca está fazendo mais uma semana especial para falar de um de seus lançamentos, e achei que poderia participar com os meus 10 centavos.

E é 10 centavos mesmo, porque eu ainda não terminei de ler os 12 contos. Só li dois até agora e é sobre esses que vou falar um tico. Escolhi autoras que eu conheço, mas que não necessariamente já li algo delas.

Desde História da sua vida e outros contos meio que assumi que, se um livro de contos cair na minha mão, vou dar uma chance. Como eu falei na resenha do livro do Ted Chiang, contos nunca foram muito minha primeira escolha como leitura. E parece que eu não estou sozinha nessa “posição”.

Nos agradecimentos de Aconteceu Naquele Verão, Stephanie Perkins diz que é difícil encontrar público para contos hoje em dia. Então, né, vamos ajudar os escritores e valorizar o esforço de construir uma história concisa em 40-60 páginas.

Cabeça, escamas, língua e calda – Leigh Bardugo | 3 estrelas

Se você me segue no Skoob, acabei escrevendo lá o que eu achei do conto como um todo. Nunca tinha lido nada da Leigh Bardugo. Sim, eu tenho o primeiro volume da série Grisha mas ainda não rolou de pegar para ler… Então essa foi minha primeira experiência com a autora.

Eu gostei do ritmo e de estilo da Bardugo, mas achei o conto com um início muito confuso. Eu tive que começar duas vezes a leitura porque nada estava fazendo sentido. Acho que como a história tem algo de surreal e fantástico, a forma como ela construiu a introdução é quase viajante. Ela faz uma volta, parecendo que vai contar uma história, mas vira de ponta cabeça e continua contando outra coisa.

Pra mim a história só engatou depois que Gracie e Eli começaram a interagir. E mesmo assim, ela é um pouco previsível. Bonitinha, mas dá pra ver a solução do mistério da história vindo lá de longe.

O último suspiro do Cinemorte – Libba Bray | 2.5 estrelas

Da Libba Bray eu já li Os Videntes, e eu lembro de gostar da experiência do livro dela. Então pulei para o conto dela achando que ia ser bom.

E o começo realmente foi muito bom. Incrivelmente eu estava achando mais legal do que o da Bardugo porque parecia mais “normal”. Um casal de adolescentes, o rapaz tímido e com baixa auto-estima que não consegue se declarar, último ano do colégio, e o fim do cinema onde os dois trabalham nas férias de verão.

Mas o problema pra mim aqui foi que do nada o conto se torna uma história de “terror” de filme B. Assim, contos são histórias menores e eu achava que deveriam ser concisas e fechadas em si. Só que O Último suspiro do Cinemorte deixa tanta coisa em aberto, tantas coisas não respondidas, e situações tão escalafobéticas que me perdeu. Eu fiquei esperando o momento que a autora ia falar “ah, isso tudo que aconteceu? Na verdade o Kevin estava sonhando”.

Só que não… pessoas e amigos deles da escola viram demônios-zumis e morrem durante a história, e tudo bem. É ok o casal ir pro carro dar uns amassos e não se preocupar com esse tipo de acontecimento banal. O próprio personagens principal também é meio volúvel… =/

Foi uma pena, porque estava indo por um caminho interessante até tudo desandar…


Se eu tivesse que escolher como seria minha história de verão, provavelmente seria um misto do romance de Gracie e Eli, que vão muito até a biblioteca da cidade. Só que, né? XD Eu não costumo sair de casa, e esse verão pesado e opressivo que tem feito aqui no Rio de Janeiro não estimula nem um pouco isso.

Então eu encontraria vários livros maravilhosos que eu quero ler, ligaria o ar condicionado, e me perderia em outros mundos, outros personagens, outras vidas. E depois dava um jeito de pagar a conta de luz… :P

Como seria (ou como foi) sua história de verão perfeita?


Até a próxima! o/

P.S.: enquanto escrevia esse post acabou que comecei o conto da Stephanie Perkins e até agora é o melhor. Já tá garantindo pelo menos 4 estrelas, se não fizer nenhuma “besteira”. ^.~

#12em2017

Começo de ano costuma significar aquele momento quando definimos metas de vida, né? Emagrecer, guardar dinheiro, estudar, quantidade de livros para ler…

Em 2015 eu tentei participar de um desafio literário de ler livros de gêneros/temas específicos ao longo do ano. É óbvio que falhei miseravelmente em completar o desafio, mas eu acho interessante colocar algumas metas de leitura, além dos 60 livros que gostaria de ler em 2017.

Por isso, tcharan! Aqui estou eu criando objetivos de leitura (que vou tentar cumprir, mas né, no pressure). A ideia é tentar ler 12 livros em 2017, livros específicos que eu já tenho aqui em casa, novos ou antigos, mas que se eu não me forçar a pegar, é provável que eles demorem a entrar na minha fila de leitura. Acaba que eu sempre priorizo os livros de parceria e vou deixando os livros que comprei meio de lado.

Além do fator “já tenho em casa”, escolhi livros que fossem sci-fi ou fantasia, que dessem continuidade ou fechassem uma série, de autores que nunca li nada, ou de autores que eu estava com saudade de ler, e ainda encaixei uma releitura (porque não basta ter trocentos livros novos pra ler… eu ainda preciso reler coisas, não é mesmo?!).

Vamos à lista! Os livros estão por ordem alfabética das editoras e não representam necessariamente qual vou pegar primeiro, ok?

  • Encontro com rama - arthur c. clark
  • a mão esquerda da escuridão - ursula k. le guin
  • o evangelho segundo jesus cristo - josé saramago
  • confissões do crematório - caitlin doughty
  • trono de vidro - sarah j. maas
  • o último guardião - eoin colfer
  • todo dia - david levithan
  • a sombra da serpente - rick riordan
  • filhos do fim do mundo - fabio m. barreto
  • a magia da alvorada - s.l. farrell
  • o pistoleiro - stephen king
  • anjos da morte - eduardo spohr

Vou colocar um banner na coluna de apoio do blog com uma chamada para esse post. Aí eu atualizo conforme for lendo e publicando resenhas. ^.~

E você? Tem alguma meta que gostaria de realizar em 2017?

Até a próxima! o/

Top 5 2016

2016 está quase acabado (depois de quase acabar com todos nós), então chegou aquela época do ano de fazer um levantamento de tudo o que li, o que foi bom e o que me marcou. (Até o momento) Li 75 livros esse ano, menos do que eu gostaria, mas mais do que esperava levando em consideração que eu fiz uma pós-graduação e monografia.

Dessa vez não trouxe minhas decepções do ano, quero deixar o post só com aquela vibe positiva. Vamos à listinha de Top (5) Livros de 2016! \o/

Separei o posts em categorias de avaliação. Vem comigo descobrir meus favoritos entre os lidos do ano! Só avisando que não coloquei ordem de preferência entre os selecionados e não necessariamente os livros foram lançados em 2016. ^.~

Favoritos dos Favoritos

Olha que esse ano não tem livros de gêneros repetidos (eu acho) e consegui uma lista bastante interessante de favoritos. Dois de não ficção, sendo que um é uma “graphic novel”, e que foram ótimas leituras fora da minha zona de conforto. Obviamente temos romance, porque eu não vivo sem isso na minha vida, e fantasia. A chaproca do ano pode ter demorado para terminar e ter sido um peso literal para ser carregado, mas valeu cada uma das 912 páginas da leitura.

  • A Voz do Arqueiro - Mia Sheridan
  • Alucinadamente Feliz - Jenny Lawson
  • Nove regras a ignorar antes de se apaixonar - Sarah MacLean
  • Ninguém vira adulto de verdade - Sarah Andersen
  • As Chamas do Paraíso - Robert Jordan

Melhores Capas

Foram aquelas que me encantaram de um jeito completamente apaixonante. Para variar, a Intrínseca quase fica com todos as posições porque a editora sabe conquistar meu pobre coração de designer gráfica frustrada. Só para não dizer que só dá Intrínseca, a HarperCollins Brasil ganhou um espaço com a capa e projeto gráfico maravilhosos do livro de Lauren James.

  • as mil noites - e.k. johnston
  • Alucinadamente Feliz - Jenny Lawson
  • em nossa próxima vida - lauren james
  • Faca de Água - Paolo Bacigalupi
  • Loney - Andrew Michael Hurley

Melhores Personagens

Chega de separar meninos e meninas, não é mesmo? Se um personagem é bom ele tem que ser enaltecido por isso, não por seu gênero. No caso temos muitas representantes femininas por questões de identificação e qualidade de construção. Archer aparece aqui porque ele foi o cara mais fofo e tudo de bom do ano. E Alex Fierro é o melhor de todos os mundos, trazendo a representatividade trans para a literatura YA de Rick Riordan.

  • A Voz do Arqueiro - Mia Sheridan
  • as mil noites - e.k. johnston
  • a torre - daniel o'malley
  • o martelo de thor - rick riordan
  • Nove regras a ignorar antes de se apaixonar - Sarah MacLean

Melhores Hot/Romances de Época/New Adult

Você me conhece. Meus posts de aquisições são basicamente de romances independente dos subgênero e de fantasia. Sim, sou previsível e talvez esquisita. Mas não tem como não dizer que esses livros me deixam muito feliz e me ajudam a dar aquela relaxada e descansada de leituras mais longas. Esse ano foi o de descoberta de Mia Sheridan e Sarah MacLean, e de visitar uma nova série da Loretta Chase. O bom desse gênero é que quase tudo pode ser uma série ou trilogia, então sempre tem mais daquele grupo familiar ou tema para ler. Muito amor envolvido aqui, Pessoa! <3

  • A Voz do Arqueiro - Mia Sheridan
  • veneno - mia sheridan
  • Nove regras a ignorar antes de se apaixonar - Sarah MacLean
  • dez formas de fazer um coração se derreter
  • sedução da seda - loretta chase

Melhores Fantasia/Sci-Fi

Se eu não vivo sem um romance, também não consigo ficar sem uma fantasia na fila de leitura. 2016 foi um ano que tentei investir mais em sci-fi. Não adianta dizer que gosto e não ter nada do gênero no blog, não é? Então até dá para dizer que tem mais sci-fi na lista do que fantasia. Afinal As Chamas do Paraíso contou sozinho como vários livros de fantasia menores… Além disso, foi um ano de investimento financeiro em mais livros de sci-fi, pegando uns da Aleph para colocar para jogo. Espero conseguir pegar em 2017.

  • Faca de Água - Paolo Bacigalupi
  • As Chamas do Paraíso - Robert Jordan
  • legado - hugh howey
  • a menina que tinha dons - m.r. carey
  • caminho das sombras - brent weeks

Melhores Young Adult

Sim! Tem dobradinha da Jenny Han porque eu li os dois livros de Lara Jean e achei muitos divertidos. Além disso, um dos únicos livros brasileiros que li no ano merece estar aqui também. Tem também o primeiro livro com um protagonista homossexual que eu li e achei muito bom essa mudança na minha vida. E, obviamente, Rick Riordan.

  • o legado - marcela rossetti
  • para todos os garotos que já amei - jenny han
  • p.s.: ainda amo você - jenny han
  • simon vs. a agenda homo sapiens - beth albertalli
  • o martelo de thor - rick riordan

Surpresa do ano

2016 foi um ano que eu me permiti ler livros que não costumam ser uma escolha natural para mim. Alucinadamente Feliz é um não-ficção que eu provavelmente passaria longe, mas a capa e a sinopse me conquistaram e me deixaram intrigada de uma forma que não me permitiu deixar a oportunidade de lado.

Depois temos a graphic novel da Sarah Sandersen, Ninguém Vira Adulto de Verdade! Eu sou apaixonada por essa ilustradora e acompanho suas tirinhas há bastante tempo. Tenho muita identificação com a personagem que ela representa em suas tirinhas e não podia ficar sem um exemplar em casa. E, SIM!, vale muito a pena.

A Menina que tinha dons não foi bem uma indicação, mas me chamou a atenção a capa e a sinopse também, e uma das reviewers que eu mais confio do Goodreads fez uma resenha falando MUITO BEM do livro. Então me permiti comprar e passar na frente de vários outros livros. Sim, porque eu posso. E foi uma das decisões mais acertadas que fiz no ano. O livro é ótimo, é distópico, faz você pensar, e te deixa se sentindo impotente e angustiado no fim. Para variar de todos os finais felizes e casais realizados que eu costumo gostar, um soco no estômago faz bem de vez em quando.

E por último, li o livrinho da Chimamanda, Sejamos Todos Feministas, no Kindle, e fiquei impressionada com a força dessa mulher, tanto em sua escrita, quanto em sua vida, que ela transcreve ao longo das páginas. A sensação que fica é de que “preciso ler de novo, e de novo” para realmente entrar nos poros e no cérebro e no coração o que é ser feminista. É daquelas leituras que todo mundo deveria ter a oportunidade de ler, para tirar suas próprias conclusões e conhecer a autora. E olha que legal! O e-book é DE GRAÇA na Amazon. Faça esse favor a você mesma/o e dê uma chance para o livro. ^.~

  • Alucinadamente Feliz - Jenny Lawson
  • Ninguém vira adulto de verdade - Sarah Andersen
  • a menina que tinha dons - m.r. carey
  • sejamos todos feministas - chimamanda ngozi adichie

Mais aguardados de 2017 (ou o que eu gostaria muito de ler em 2017)

E vale terminar o post falando das minhas expectativas para 2017, quais livros eu estou ansiosa e esperando muito que cheguem logo?!

Desde 2014 eu venho comentando o quanto estou aguardando por Winds of Winter, e nada. Não custa dizer que gostaria que finalmente saísse em 2017, mas acredito que se isso realmente acontecer, é provável que o livro só chegue aqui em 2018… levando em consideração todo o processo de tradução e produção do livro nacional.

Quero muitas coisas da Intrínseca em 2017! O sexto volume da série A Roda do Tempo, Lord of Chaos deve ser minha fantasia mais aguardada do ano que vem. Espero que, apesar do volume de trabalho para traduzir, adaptar, etc., ele seja lançado em algum momento de 2017. Queria fechar a série Half Bad, da Sally Green, com Half Lost, porque preciso muito saber como termina a saga de Nathan e Gabriel. <3 Além disso, 2017 já tem promessa de mais Rick Riordan com The Dark Prophecy, o segundo volume da série As Provações de Apolo, e The Ship of Dead, para fechar a trilogia de Magnus Chase e os deuses de Asgard.

Eu já falo da continuação de Desafio, da Novo Conceito, há muito tempo também. Só para não dizer que eu desisti, vou trazer ele de novo. Vai que dessa vez vai, né?

Ainda não li o segundo livro da série Corte de Rosas e Espinhos, mas já tem previsão para que o terceiro, Court of Wings and Ruins, saia lá fora. Apesar de o primeiro não ter entrado em nenhum dos tops, foi um dos livros mais legais que li no ano (com algumas ressalvas, mas muito bom).

A Arqueiro também está me devendo algumas coisinhas. A “extinta” Saída de Emergência começou a lançar a série Kate Daniels, da Ilona Andrews, e não trouxe mais nenhum livro além do primeiro. A série lá fora já conta com  nove volumes… Nunca te pedi nada, Arqueiro… continua a série, por favor?!

Outro que eu ia começar a me lamentar era Rainha das Trevas, o terceiro livro da Trilogia das Joias Negras, da Anne Bishop, mas eu já sei que sai em fevereiro, então é só a ansiedade de finalmente fechar a série! <3


E você, quais livros foram os seus tops em 2016 e o que mais está ansioso/a para ler em 2017?! Me conta tudo nos comentários ou lá no Facebook! ^.~

Até a próxima! o/

Quem é seu delz agora?! XD

Desde que me conheço por gente eu gosto de mitologia grega, e minha deusa favorita sempre foi Ártemis, a deusa da lua e da caça. Acho que a independência, força, e determinação da deusa sempre me impressionaram como características que eu gostaria de ter. E ela tem um arco maneiro também! \o/

Entretanto, Ártemis tem algumas questões que sempre me deixavam incomodada… suas seguidoras tinham que ser virgens e não podiam se relacionar com homens. Não podiam amar ou casar com um carinha. Além disso, por ser uma deusa virginal, Ártemis nunca teria filhos, então não tinha como desejar ser filha dela. Assim, eu queria ser como Ártemis, mas né… tava difícil.

Então fui tentar pensar em qual outro deus eu acharia legal ser meu pai ou minha mãe e, olha, levando em consideração o número GIGANTESCO de opções, fica quase difícil de escolher um só. Gosto de Poseidon, por ser o deus dos oceanos e dos terremotos; de Nêmesis, por ser a deusa da justiça divina e vingança; de Athena, por ser deusa da sabedoria e da guerra…

Aí tive a super ideia de perguntar pro Google, o grande oráculo do século XXI, se existia um teste maneiro que dissesse quem seria meu pai/minha mãe na mitologia grega. E não é que tinha um teste prontinho para descobrir meu progenitor olímpico?! \o/

Obviamente, não resisti e fui fazer o teste e, apesar de ter me surpreendido um pouco com o resultado, acho que está bem próximo da realidade! Conheçam meu papai do Olimpo! (Obviamente fui procurar uma ilustração de Hades gato, né? Por que ele não precisa ser o demonho, não é mesmo?!)


Hades

Hades: deus dos mortos e da riqueza, Senhor do Submundo

Os filhos de Hades normalmente são isolados e acostumados a fazer coisas sozinhos. Sua existência solitária faz você suscetível a ser muito cauteloso com estranhos, e enquanto você aprecia e anseia por gentileza e atenção, você pode se sentir ofendido já que acredita que não precisa de nenhum tratamento especial. Crianças de Hades parecem calmas e quietas, mas podem ser impulsivas com alegria, amor ou raiva em certas situações. Como Hades supervisiona a lei e a conduta, os filhos de Hades tendem a ter um conjunto definido do que é moralmente aceitável e requerem muita ajuda para mudar suas perspectivas. Você é extremamente protetor do pequeno círculo de pessoas que você confia, e qualquer insulto contra eles é um insulto contra você, que não vai ser esquecido tão cedo. Apesar de ser honrado, incompreendido, leal, inteligente e trabalhador, filhos de Hades também pode ter um lado mais escuro, distorcendo essas características em astúcia, crueldade e desonestidade. Mais frequentemente do que não, o bem domina o mal, e as crianças de Hades operam em áreas cinzentas para garantir que alcancem seu resultado final.

Qualidades
Solidão, inteligência, diligência, proteção, honra, lealdade, amargura, astúcia


Se você também quiser saber o seu deus é muito fácil! É só acessar o teste The Greek Godly Parent Quiz e responder as 33 perguntas. O único porém é que o site é em inglês, então qualquer coisa você pede ajuda para o Google Translator se ficar em dúvida sobre o significado de alguma das palavras. ^.~

Depois volta aqui e me conta “quem é seu delz agora”!


Esse é o terceiro post da #SemanaEspecialRickRiordan e eu já postei os seguintes conteúdos:

Até a próxima! o/

(Artes no post: Ártemis de Sedone Thongvilay | Hades e Perséfone de Alexandra V. Bach)

Minha série favorita de Rick Riordan… como se você não soubesse

Eu tenho um pouco de inveja dessa geração que era jovenzinha quando começou a sair Harry Potter e podem dizer que a série mudou suas vidas, que querem ir pra Hogwarts, que sabem a qual casa pertencem, que amam/odeiam o Snape…

Quando eu era jovenzinha não tinha essas histórias maneiras, essas histórias supimpas pra me fazer companhia e eu querer desesperadamente ler o próximo volume. u.u’ Não posso dizer que não li coisas legais na infância/pré-adolescência porque Pedro Bandeira, Flavia Muniz e toda a coleção Vaga-Lume tão aí no meu histórico de vida.

Fica a dica desses três livros para você que é jovenzinho e quer conhecer ótimas leituras de autores brasileiros, tem link do Skoob nas imagens ^.~

Apesar de eu ter acompanhado toda a saga Harry Potter, o que eu gostaria mesmo era de ter lido Percy Jackson quando jovenzinha. Sempre fui APAIXONADA por mitologia, principalmente a grega, e acompanhar Percy em sua jornada para descobrir quem era seu pai olímpico, enquanto eu estivesse com a mesma idade do personagem, seria uma das experiências mais MARAVILHOSAS da vida.

Principalmente pela forma como Rick Riordan insere os deuses ao longo da história. Muitas vezes eles estão “disfarçados” com características que descrevem o deus/deusa, mas se você não conhece a mitologia a fundo pode nem perceber de quem se trata. Além disso, ele manteve as facetas “humanas” dos deuses, com suas falhas e problemas, uma vez que eles espelham muito nossos comportamento e personalidades mundanas.

Se você quiser saber mais sobre os deuses gregos, vale dar uma lida na visão de Percy sobre seus “tios” e “tias” em Percy Jackson e os Deuses Gregos

Bem… Percy Jackson e os Olimpianos chegou quando eu já era uma jovem adulta, mas ainda considero como uma das melhores leituras que eu já fiz na vida. É o tipo de livro que eu gostaria de ter lido quando eu era mais nova, é o fandom que eu gostaria de ter participado (camisa laranja do Campo Meio-Sangue!), é o tipo de livro que eu gostaria de ter escrito. Abriu as portas para todos os livros que o Rick Riordan lançou depois, me fidelizando completamente aos personagens, ao universo, à narrativa.

Pessoas, o que é esse panorama de todas as novas capas da série junta?! Eu ainda vou comprar tudo de novo só para ter e chamar de meu

É uma série de coming of age, de descobrimento e de evolução. É focada no Percy e nas aventuras que ele e seus amigos precisam enfrentar em cada um dos cinco livros para conseguir evitar uma profecia que pode destruir o mundo. Cada livro tem uma história própria, mas todos eles estão interligados por essa profecia catastrófica que se aproxima a cada novo desafio.

Muito da culpa por tanto amor <3, além da mitologia, é do próprio Percy Jackson. Eu gosto muito mais dele como personagem do que do Harry Potter (me perdoem todos os fãs do bruxinho). A principal diferença aqui é que Percy não tem a carga de angústia e drama que Harry carrega nas suas costas por ser “o garoto que viveu”. Percy encontrou seu lugar no mundo e agora quer continuar vivo e manter seus amigos inteiros, se der pra salvar o mundo no meio do caminho, tá bom também.

Os personagens de apoio também são maravilhosos, e se você não se identifica ou ama o Percy de primeira, com certeza algum deles vai roubar seu coração.

Definitivamente, os livros do Riordan vão sempre ocupar o meu Top 5 melhores leituras da vida, junto com a série do Philip Pullman Fronteiras do Universo, e se alguém me pedir uma sugestão de leitura de fantasia e aventura leve, descontraída e envolvente, vai ser sempre a primeira coisa que eu sugerir.


Esse é o segundo post da #SemanaEspecialRickRiordan, e ainda tem muita semana pela frente! ^.^

Até a próxima! o/

5 motivos para ler Rick Riordan

Olha a Intrínseca aprontando mais uma semana especial de um dos autores que eu mais gosto atualmente. Dessa vez é uma semana para falar sobre as séries MARAVILHOSAS que Rick Riordan já trouxe para gente. Sério, Rick Riordan é muito <3, Pessoa!

Motivo 1

Rick Riordan é daqueles autores que fazem você sofrer de ansiedade pelo lançamento do próximo livro, que vai continuar ou encerrar a série que ele está conduzindo no momento.

Ele tem uma cadência de escrita que te envolve de um jeito que não dá para parar de passar as páginas. Você simplesmente não consegue largar o livro até chegar o fim. E seus personagens sempre contam suas experiências em primeira pessoa, então a sensação de estar junto na aventura é muito maior.

Aliás, os personagens são um dos principais pilares de todos os livros que Riordan já publicou até agora. <3

Além disso, Rick Riordan está sempre por dentro das últimas “tendências” do mundo jovem e pop, e faz altas referências ao mundo “real” dentro dos livros. Então é muito fácil encontrar piadinhas e memes que fazem sentido com o nosso agora aqui fora da história.

Se você quer começar uma série divertida, que vai “roubar” dias de sua vida de uma maneira deliciosa, permita-se ler os livros do Riordan e acompanhar o crescimento dos personagens ao longo de suas aventuras.

Motivo 2

Se você gosta de mitologia, as séries de Rick Riordan são um prato cheio!

Independente de quem é seu delz favorito, seja ele grego, romano, egípcio ou nórdico, vai ter uma história para você ler. Riordan já lançou livros de todas essas mitologias, e até mesmo faz crossovers de seus universos e personagens. Já teve encontro grego/romano, grego/egípcio e grego/nórdico.

Sendo bastante sincera aqui, não me importaria se ele lançasse ainda mais livros tratando de semideuses das mitologias indu e japonesa. E seria uma grande valorização da cultura afro-brasileira ter semideuses dos orixás!

Motivo 3

Percy Jackson (e Magnus, Carter, Jason…)

TEMOS que falar do meu personagem favorito: Percy Jackson. Ok que existe previsão durante a semana só para esse assunto, mas sério, Percy Jackson.

Apesar de gostar de vários outros personagens de todas as séries, Percy roubou meu coração de um jeito que não tem volta.

Os heróis de Riordan são adolescentes com a responsabilidade de salvar o mundo, uma vez que seus pais deuses não estão lá tão disponíveis ou empolgados para fazer isso.

Mas mesmo sendo filhos de deuses, eles tem falhas e erram e crescem e melhoram por conta disso. Não só Percy, mas todos os personagens protagonistas das séries de Riordan passam por algum tipo de crescimento e evolução ao longo das histórias.

E todo o desenvolvimento é bastante crível e aceitável, fazendo com que o leitor sinta-se satisfeito por estar ali, junto com os personagens e podendo acompanhar tudo de pertinho.

Motivo 4

Annabeth Chase (e Samirah, Sadie, Piper…)

Rick Riordan criou personagens femininas que são maravilhosas em sua independência, força, determinação e coragem. Elas podem não ser a voz principal no desenvolvimento de algumas histórias, mas elas são peça crucial para a resolução das aventuras e o crescimento de todos personagens.

Annabeth é minha favorita, afinal… Percabeth, não é mesmo? Ela pode não tem o poder físico que Percy tem, mas ela é tão ou mais capaz que ele para fazer tudo. Ela é inteligente e focada, é a “cabeça” da dupla e complementa Percy em todos os seus “pontos fracos”.

Riordan fez com que eles realmente se tornassem uma dupla, que se ajuda, e não que Annabeth seja uma donzela indefesa. Assim como todas as outras meninas protagonistas ao longo das séries, o papel feminino é equiparadamente importante em todos os momentos.

Motivo 5

Romance, inclusão e representatividade nos personagens

Nos livros de Riordan, os personagens são crianças que se tornam adolescentes, e o autor dá a eles toda a oportunidade de passar pelas “agruras” do romance e do envolvimento pessoal.

Praticamente todos os personagens que têm tendências românticas têm a chance de encontrar um parceiro. E, Pessoas, de novo… PERCABETH! Melhor amor do mundo! <3

Não queria fazer treta, mas se você precisa ir resolver uns problemas no inferno, você vai junto com a pessoa que te ama e te apoia. Não deixa ela em casa com os pais, porque quer “protegê-la” (SIM ESTOU OLHANDO PARA VOCÊ HARRY POTTER!).

Outra coisa maravilhosa que o autor começou a fazer em suas séries de uns tempos para cá foi a inclusão e representatividade em seus personagens. Na série inicial, Percy Jackson e os Olimpianos, eu confesso que não lembro bem como eram os personagens de apoio, mas tenho a sensação que eram todos brancos.

Mas desde As Crônicas de Kane, personagens de cor começaram a aparecer nas histórias, e mais recentemente foram inseridos homossexuais e transexuais também. Acho que é uma forma de Riordan refletir a realidade de seus leitores dentro de suas histórias e de seus personagens.

Não tem como ser mais moderno e inclusivo do que isso, não acha?


Todas as imagens que ilustram o post são da artista Viria. Você pode encontrar a arte dela no Tumblr e no Deviantart. Se você gostou das ilustrações, visite os canais da Viria e conheça outras tão legais quanto. Ela também desenha Harry Potter e Avatar. ^.~

Até a próxima! o/

Semana Peculiar da Intrínseca

Vocês estão acompanhando a semana especial da Intrínseca, sobre os livros e o filme do Ransom Riggs?! Como assim, você não conhece O Lar para crianças peculiares da Srta. Peregrine, Cidade dos Etéreos, e Biblioteca das Almas?! Pelo menos está sabendo que saiu um filme agora, dirigido pelo Tim Burton e com o Asa Butterfield como protagonista principal e a Eva Green (MARAVILHOSA!) como a Srta. Peregrine, né? ^.~

miss peregrine home for peculiar children - movie banner

Bem, seguindo. O tema de hoje é:

se você tivesse que escolher uma peculiaridade, qual escolheria? por quê?

x-men mystic

Se você me acompanha aqui no blog já deve ter me visto falar que eu adoraria ter o poder de mudar de forma. Um poder tipo o da Mística dos X-men seria legal, mas o dela é limitado à forma.

Meggan excaliburUma personagem que eu sempre curti do universo dos X-men era a Meggan, do Excalibur. Ela era metamorfa, tinha sangue de fadas, poderes elementais, e quando se transfomava em algum outro mutante, assumia os poderes dele. Quem precisa de qualquer outro poder, não é mesmo?

Atualmente eu queria ter o poder de prever os números da mega-sena, de conseguir ler mais livros, ter mais tempo para jogar WoW… XD

Ter o poder de me organizar e postar pelo menos 3 vezes por semana de verdade no blog também seria maravilhoso! Mas acho que o que estou precisando mesmo é o poder de terminar o TCC da pós-graduação… :P


Mas, estamos falando sobre o universo do Ransom Riggs, não é mesmo? Um universo que consegue ser quase tão bizarro quanto os mutante criados por Grant Morrisson no período que ele escreveu X-men. :P

Se levarmos em consideração os poderes que o autor apresenta no livro, a maioria não são tão cheios de efeitos especiais. Entre as crianças que Jacob conhece na fenda temporal da Srta. Peregrine temos as seguintes peculiaridades:

  • Hugh pode controlar abelhas e as mantém dentro de seu corpo (ugh, isso é meio nojento e eu sempre tive medo de qualquer tipo de inseto, então não seria minha opção);
  • Horace tem sonhos premonitórios sobre o futuro (não sei se saber do futuro é uma peculiaridade positiva ou negativa. Provavelmente não iria querer essa também);
  • Jacob consegue ver e sentir a presença dos etéreos (o que é uma peculiaridade aterrorizante! Se vou ser perseguida por um monstro, não sei se eu iria querer ver o que está vindo atrás de mim. Além de ser uma baita responsabilidade com as outras crianças peculiares. Estou fora);
  • Claire tem uma boca “extra” na base de sua nuca (outro poder meio grotesco e que não consigo ver muita utilidade fora de um circo de horrores. Passo);
  • Olive praticamente não tem peso e flutua o tempo todo, o que faz com que ela precise utilizar sapatos super pesados para mantê-la presa ao chão (é interessante, mas você sempre tem que ter alguma coisa te ancorando, porque senão vai sair flutuando sem controle. Se ela usasse um cinto com ganchos, que ela pudesse atirar nas coisas, para poder “voar” horizontalmente e não simplesmente subir como um balão, poderia ser legal);
  • Emma pode gerar fogo com as próprias mãos (isso é maneiro! Mas todas as descrições que o Riggs faz de Emma utilizando seus poderes quase fazem ela parecer um fósforo ambulante… Eu gosto quando tem jatos de fogo, sabem? Estilo Tocha Humana! Mas essa já é uma outra peculiaridade muito interessante);
  • Enoch pode animar os mortos por um curto período de tempo (é… não, curto zumbis, passo);
  • Bronwyn é super forte e super maternal, não sei qual dos dois é seu poder principal (super-força nunca foi uma coisa me interessou muito… e definitivamente não sou maternal);
  • Millard está para sempre preso em uma forma invisível (invisibilidade é uma das peculiaridade mais legais, mas o fato de ele não poder desligar e voltar a ser visível é um pouco triste. O interessante é você poder se esconder quando há a necessidade, não viver o resto da sua vida à margem da sociedade porque ninguém vê você);
  • Fiona tem poder sobre as plantas (assim, é uma peculiaridade bem forte se você pensar, mas eu tenho nojinho de quase qualquer coisa da natureza. Então, não);
  • Srta. Peregrine pode se transformar em um falcão peregrino e criar fendas temporais (isso sim é um poder fora da curva na lista, não é? Mas aparentemente ela tem o dever moral de cuidar das crianças peculiares que possa encontrar no tempo onde ela criou a fenda… não sou boa em lidar com crianças, e essa responsabilidade não ia ser muito legal de ter).

VEREDITO: Provavelmente seria a Emma com seu poder pirotécnico. Mas com certeza eu tentaria evoluir um pouco o uso dele para ir além de iluminação e calefação. Tem que investir em pilares de fogo, chicotes de magma e uma projeção mais eficiente das chamas, Pessoas! XD

Fênix Negra

E você? Qual peculiaridade gostaria de ter?


Até a próxima! o/

Semana Especial Jojo Moyes – Intrínseca

Hoje começa a Semana Especial Jojo Moyes! Vai ser uma semana temática, com posts de assuntos variados sobre a obra da autora e uma preparação para o mais novo lançamento dela pela Intrínseca, Nada Mais a Perder. O Parafraseando Livros vai participar com o post de hoje e na sexta-feira. ^.~

Você já conhece a autora?

Sobre Jojo Moyes

Jojo Moyes

Jojo Moyes nasceu em 1969 em Londres, e se formou na Royal Holloway and Bedford New College, na Universidade de Londres. Em 1992 ela ganhou uma bolsa financiada pelo jornal The Independent para frequentar uma pós-graduação em jornalismo na City University.

Jojo trabalhou como jornalista por 10 anos e passou a ser uma escritora em tempo integral desde 2002, quando seu primeiro livro Sheltering Rain (Em Busca de Abrigo) foi lançado. Desde então ela não parou mais de escrever e lançar livros aclamados pela crítica.

Como eu era antes de você, que recentemente foi lançado nos cinemas estrelado por Emilia Clarke (Game of Thrones) e Sam Clafin (Jogos Vorazes), já vendem mais de 8 milhões de cópias no mundo todo.

A autora vive em Essex (Inglaterra), com seu marido e seus três filhos.

(fonte)

Os Livros da Autora no Brasil

Jojo Moyes é uma autora bem ativa e até o momento tem 12 livros lançados, e desses, 8 já foram editados pela Intrínseca.

  • nada mais a perder - jojo moyes
  • o navio das noivas - jojo moyes
  • a última carta de amor - jojo moyes
  • baía da esperança - jojo moyes
  • uma mais um - jojo moyes
  • a garota que você deixou para trás - jojo moyes
  • como eu era antes de você - jojo moyes
  • depois de você - jojo moyes

Atual casa editorial da autora no Brasil, a Intrínseca está relançando alguns livros que anteriormente estavam na Bertrand. Esse ano começou com o relançamento de Baía da Esperança, e outros dois títulos que ainda faltam aparecer na editora são A Casa das Marés e Em Busca de Abrigo. Este último foi o primeiro livro lançado pela autora.

(fonte)

Prêmios

A autora já foi duas vezes ganhadora do RoNA (Romantic Novel Award) na modalidade Romantic Novel of the Year (o reconhecimento máximo da premiação), com os livros Foreign Fruit (2004) e A Última Carta de Amor (2011).

Ano passado (2015), o livro Depois de Você foi indicado na categoria Melhor Ficção no Goodreads Choice Awards.

(fonte)

Resenhas de livros da autora no blog

Jojo Moyes já deu as caras aqui no blog duas vezes. Apesar de o estilo de romance que a autora escreve não ser um dos meus favoritos, porque é daqueles que têm muito drama e tristezas envolvido, eu gostei muito dos livros que li. Se você quiser conhecer minha opinião é só clicar nas imagens das capas dos livros aqui embaixo.

  • como eu era antes de você - jojo moyes
  • a garota que você deixou para trás - jojo moyes

Acompanhem o site e facebook da Intrínseca para mais posts sobre a Semana Especial Jojo Moyes. ^.~

Até a próxima! o/

Semana Especial Intrínseca – Simon vs a Agenda Homo Sapiens

Olá, Pessoas! Como estamos? Eu ainda estou na busca de novas oportunidades, mas acredito que logo deve aparecer alguma coisa. ^.^

Bem, esse post não é para falar da minha dificuldade de encontrar um novo emprego. Esta é uma semana especial em que a editora Intrínseca convidou seus parceiros para falar sobre um de seus livros mais recentes: Simon vs a Agenda Homo Sapiens (skoob/goodreads), da Becky Albertalli. Cada dia é dedicado a um tema, e os parceiros podiam escolher em qual iriam publicar sua participação.

Primeiro de tudo, já tem resenha de Simon aqui no blog e você pode ler minha experiência com o livro lá. Segundo, hoje o tema é sobre FAMÍLIA, no caso especificamente sobre a família de Simon.

simon vs a agenda homo sapiens - becky albertalli

Acho que eu já li bastante young adults na minha “carreira de leitora”, sejam eles estrangeiros ou nacionais, e uma coisa que eles costumam ter em comum é que os adolescentes não tem pais. Assim, não é bem que eles não tem pais, mas não existe necessidade de que eles apareçam na história, ou interfiram de verdade na vida dos filhos, uma vez que o que é realmente importante é o relacionamento com os amigos na escola, o triângulo amoroso com gatinhos e gatinhas, bebidas, festas, etc… Adultos só servem para tornar a história real e tirar o foco de quem importa: os adolescentes e seu universo particular.

Em Simon é um pouco diferente. A família tem um papel muito importante para ele, ainda mais porque Simon guarda um segredo de todos. Eles interagem com frequência ao longo do livro, brincam juntos, comem juntos, tem atividades normais de uma família. Ainda assim, por mais que aparentemente o relacionamento entre todos seja agradável, pai, mãe e as duas irmãs de Simon também podem ter suas próprias vidas e segredos. O que torna o convívio entre eles ainda mais plausível e crível.

A irmã mais velha já foi para faculdade, mas todas as vezes que está em casa ela passa horas no telefone com alguém. A irmã mais nova também vive fora de casa, e Simon não tem ideia do que ela anda fazendo nem com quem. E apesar de serem irmãos e se darem bem, fica parecendo que Simon ou não se importa muito com essa distância que tem das irmãs, ou respeita o espaço que elas “impõem” em suas individualidades.

O mais complicado do relacionamento familiar de Simon para mim durante a leitura foi com seu pai. Simon é homossexual, apesar de ainda não ter contado para sua família, e em muitas cenas em que aparece interagindo com o pai tem que aturar piadinhas homofóbicas ou de alguma forma desmerecedora. Obviamente que o pai não sabe sobre Simon, mas mesmo assim já é uma forma de perturbar o menino ao ver que até dentro de casa existe algum tipo de preconceito. A mãe dele pode não ser preconceituosa, mas é daquelas mães que precisam de alguma forma ter o “controle” sobre o que está acontecendo com o filho, porque ele (e suas irmãs) estão virando adultos e ficando cada vez mais independentes.

O legal é que Becky Albertalli consegue criar uma família para Simon que é real. Mesmo distantes (fisicamente no caso da mais velha), as irmãs de Simon se preocupam com ele e dão muito apoio quando descobrem sobre a sexualidade do irmão. Tudo que seus pais querem é poder continuar fazendo parte da vida de Simon, que ele divida suas angústias e medos com eles. E eu acho que isso é o que faz com que pessoas sejam realmente família.

Você pode ter problemas, dificuldades, brigas, discussões, mas existe carinho, preocupação, interesse e amor no relacionamento. Pessoas com personalidades às vezes muito diferentes que procuram umas pelas outras porque sabem que existe doação quase incondicional por ser família.

Não é fácil, mas é o que nos faz ser pessoas melhores e nos faz crescer como indivíduos.


Quer acompanhar os demais posts da Semana do Simon?! É só clicar aqui e ver o post do blog da Intrínseca, onde os dias e os temas serão postados até o final da semana. ^.~

Até a próxima! o/

Página 1 de 712345...Última »