bate papo

Semana Aconteceu Naquele Verão – Intrínseca

7 fev 2017

Então! A Intrínseca está fazendo mais uma semana especial para falar de um de seus lançamentos, e achei que poderia participar com os meus 10 centavos.

E é 10 centavos mesmo, porque eu ainda não terminei de ler os 12 contos. Só li dois até agora e é sobre esses que vou falar um tico. Escolhi autoras que eu conheço, mas que não necessariamente já li algo delas.

Desde História da sua vida e outros contos meio que assumi que, se um livro de contos cair na minha mão, vou dar uma chance. Como eu falei na resenha do livro do Ted Chiang, contos nunca foram muito minha primeira escolha como leitura. E parece que eu não estou sozinha nessa “posição”.

Nos agradecimentos de Aconteceu Naquele Verão, Stephanie Perkins diz que é difícil encontrar público para contos hoje em dia. Então, né, vamos ajudar os escritores e valorizar o esforço de construir uma história concisa em 40-60 páginas.

Cabeça, escamas, língua e calda – Leigh Bardugo | 3 estrelas

Se você me segue no Skoob, acabei escrevendo lá o que eu achei do conto como um todo. Nunca tinha lido nada da Leigh Bardugo. Sim, eu tenho o primeiro volume da série Grisha mas ainda não rolou de pegar para ler… Então essa foi minha primeira experiência com a autora.

Eu gostei do ritmo e de estilo da Bardugo, mas achei o conto com um início muito confuso. Eu tive que começar duas vezes a leitura porque nada estava fazendo sentido. Acho que como a história tem algo de surreal e fantástico, a forma como ela construiu a introdução é quase viajante. Ela faz uma volta, parecendo que vai contar uma história, mas vira de ponta cabeça e continua contando outra coisa.

Pra mim a história só engatou depois que Gracie e Eli começaram a interagir. E mesmo assim, ela é um pouco previsível. Bonitinha, mas dá pra ver a solução do mistério da história vindo lá de longe.

O último suspiro do Cinemorte – Libba Bray | 2.5 estrelas

Da Libba Bray eu já li Os Videntes, e eu lembro de gostar da experiência do livro dela. Então pulei para o conto dela achando que ia ser bom.

E o começo realmente foi muito bom. Incrivelmente eu estava achando mais legal do que o da Bardugo porque parecia mais “normal”. Um casal de adolescentes, o rapaz tímido e com baixa auto-estima que não consegue se declarar, último ano do colégio, e o fim do cinema onde os dois trabalham nas férias de verão.

Mas o problema pra mim aqui foi que do nada o conto se torna uma história de “terror” de filme B. Assim, contos são histórias menores e eu achava que deveriam ser concisas e fechadas em si. Só que O Último suspiro do Cinemorte deixa tanta coisa em aberto, tantas coisas não respondidas, e situações tão escalafobéticas que me perdeu. Eu fiquei esperando o momento que a autora ia falar “ah, isso tudo que aconteceu? Na verdade o Kevin estava sonhando”.

Só que não… pessoas e amigos deles da escola viram demônios-zumis e morrem durante a história, e tudo bem. É ok o casal ir pro carro dar uns amassos e não se preocupar com esse tipo de acontecimento banal. O próprio personagens principal também é meio volúvel… =/

Foi uma pena, porque estava indo por um caminho interessante até tudo desandar…


Se eu tivesse que escolher como seria minha história de verão, provavelmente seria um misto do romance de Gracie e Eli, que vão muito até a biblioteca da cidade. Só que, né? XD Eu não costumo sair de casa, e esse verão pesado e opressivo que tem feito aqui no Rio de Janeiro não estimula nem um pouco isso.

Então eu encontraria vários livros maravilhosos que eu quero ler, ligaria o ar condicionado, e me perderia em outros mundos, outros personagens, outras vidas. E depois dava um jeito de pagar a conta de luz… :P

Como seria (ou como foi) sua história de verão perfeita?


Até a próxima! o/

P.S.: enquanto escrevia esse post acabou que comecei o conto da Stephanie Perkins e até agora é o melhor. Já tá garantindo pelo menos 4 estrelas, se não fizer nenhuma “besteira”. ^.~

Você também vai gostar

Nenhum comentário

Deixe uma resposta