resenha

Trama – Michael Jensen, David Powers King

13 maio 2016
Informações

trama

michael jensen, david powers king

arqueiro

série ---

304 páginas | 2016

4

Design 3.5

História 4.5

TODO MUNDO FAZ PARTE DE UMA TRAMA.

O sonho de Nels era ser cavaleiro do reino de Avërand. Filho obediente, ajudava como podia os moradores de sua pequena e tranquila aldeia. Querido por todos e tratado como herói, acreditava que logo seria selecionado como escudeiro da cavalaria.

Mas isso foi antes de ser assassinado por uma figura misteriosa.

Nels virou um fantasma, e agora só uma pessoa consegue vê-lo: a princesa Tyra, herdeira do reino e sua única esperança de entender o motivo do crime. A princípio, a jovem mimada não dá a menor confiança para o rapaz, mas, à medida que o mistério da morte dele vai se desenrolando, os dois percebem que têm em comum um segredo e um inimigo terrível, que pode se disfarçar de qualquer pessoa.

Nels e Tyra não têm escolha. Precisam fugir do castelo, desbravar um mundo oculto repleto de magia e espectros sombrios e encontrar uma agulha, a relíquia capaz de remendar o que foi descosturado na Grande Tapeçaria. E o tempo corre contra eles, pois o fio de Nels está prestes a desaparecer para sempre.

Design

Posso ser enjoada e dizer que mais do que efeitos de degradê no título e nos nomes do autores eu preferia que fosse hot stamping dourado? Até mesmo na agulha que fica meio perdida em cima do título, já que tudo é, bem, amarelo? Assim, eu gostei da paleta azul e dourado da capa, mas achei que tem um pouco de excesso de fios na arte. Voltando à agulha, e ainda sendo enjoada a beça… ela não é bem como o autor descreve no livro, ficou faltando uma opala iridescente na ponta.

Agora, sendo realista, é uma capa com um resultado visual interessante e chamativo. Gosto da fonte estilo romana/trajana para dar aquela cara de “épico”, gosto que a proposta de fios/agulha/anel/dourado avança para a lombada, e gosto que na quarta capa o projeto só mantém o fundo azul. Vale comentar também que o título e a agulha tem relevo seco para dar aquele voluminho na capa.

Eu queria dizer que finalmente fizeram uma bossa no miolo da Arqueiro, mas vou ter que fazer algumas considerações junto. Assim, a estrutura ainda é a padrão de todos os outros livros (fonte, tamanho, entrelinha e falta de cabeçalho), mas duas coisas me chamaram a atenção neste projeto. As aberturas de capítulo têm uma arte de agulha e linha que varia de lado de acordo com a página (par ou ímpar) em que se está começando o novo capítulo. As divisões de assuntos dentro de cada um também são feitas com uma imagem de uma agulha, mas a revisão do livro deixou passar uma ilustração que é diferente das outras. O projeto começa com uma agulha divisória e depois passa para uma outra completamente diferente.

A revisão também teve problemas com algumas palavras ao longo da história, mas principalmente com o nome do vilão. Rasmus em vários momentos virou Ramus ao longo do livro, às vezes com distância de um ou dois parágrafos. Faltou um cuidado com o resultado final.

Para fechar temos um mapa! Porque afinal, fantasia sem mapa não é fantasia, certo? Mas eu senti falta de uma marcação que associasse o nome do local com a marcação do mapa. Tem uma área específica que existem quatro nomes em sequencia e é confuso ao que ela está se referindo (olha a imagem aqui embaixo e ignora a sombra do meu celular #superfotógrafa).

mapa de trama - michael jensen


História

Adorei! Provavelmente Trama era o livro que eu estava precisando ler neste momento. Talvez eu não tivesse uma reação tão feliz se tivesse pegado para ler em outra conjunção do universo ou astral mas, agora, ele foi perfeito. Não exigiu muito, foi uma fantasia bem construída, com uma proposta de mundo mágico com regras bem definidas e muito interessante, e romance. Acho que mais romance do que fantasia em alguns momentos, mas não me importei.

as you wish - The Princess Bride

Acho até que se você é fã de um casal que se odeia e depois se ama, e sempre quis experimentar um livro de fantasia mas tem receio de pegar um Senhor dos Anéis ou um Guerra dos Tronos para ler, Trama é uma boa opção para você se acostumar com um mundinho mágico diferente do nosso, ambientado em uma época meio medieval.

Uma das coisas que o livro me levou a fazer foi rever A Princesa Prometida (The Princess Bride) no Netflix. Por algum motivo que vou tentar descobrir ao longo dessa resenha, o ritmo, os personagens, o estilo narrativo me lembraram do filme e eu fui atrás para ver se era só impressão. Fora o “excesso” de “comédia”, eu ainda sinto uma certa semelhança entre Trama e A Princesa Prometida, mas também existem muitas diferenças. O importante é que me diverti enormemente com os dois.

inigo montoya

O camponês Nels é o nosso protagonista junto com a princesa de Avërand, Tyra. Nels é bonzinho, um filho exemplar, amado pelas pessoas do vilarejo próximo da sua casa, e um pouco tolhido pela mãe super-protetora. Para variar ela esconde vários segredos do filho e não explica porque ele deve se esconder, porque odeia a realeza, e porque ele não pode ser cavaleiro.

Já Tyra é nossa usual princesa mimada, encantada pelo cavaleiro favorito do reino (que obviamente tem segundas e terceiras intenções), egoísta e linda. Nels desobedece sua mãe (porque, né, adolescentes) e vai para o festival na cidade com seus amigos e um senhor idoso que apareceu em sua casa. Então, PÁ, ele vê a princesa, ela vê Nels, rola um tchans, ele ganha uma disputa que o prêmio é um beijo de Tyra, e ela obviamente não dá, porque quem quer se rebaixar a beijar um camponês?!

Só que à noite Nels morre, na verdade ele é assassinado, e Tyra é a única pessoa que consegue enxergar o fantasma do camponês, e também a única que pode ajudá-lo a voltar para seu corpo. Nels e Tyra são apresentados ao alfaiate da corte, que na verdade é um mestre da Urdidura, uma escola de feitiços com várias capacidades mágicas. E Nels, de quebra, descobre vários segredos sobre sua vida, aqueles que a mãe dele guardou durante anos.

Agora Nels e uma relutante Tyra precisam viajar em uma aventura para reatar a alma do rapaz ao corpo e tentar deter o maior inimigo de Avërand, enquanto tentam não se odiar demais ao longo do caminho.

true love

A história é basicamente uma busca por um objeto mágico enquanto os personagens se desenvolvem ao longo do caminho, enfrentando juntos vários perigos e problemas para conseguir superar os desafios. Gostei muito como os autores apresentam os personagens, tanto os principais como os secundários, como eles construíram o mundo e as escolas de magia que são mostradas. Acho que tive um pouco de dificuldade de ter uma noção da urgência e do peso do tempo passando, porque muitas vezes parecia que várias ações aconteciam em um mesmo dia, e também, algumas situações de perigo eram resolvidas muito facilmente e você não sentia uma real apreensão pelo destino de Nels e Tyra. De qualquer forma as cenas eram bem estruturadas e descritas, você estava lá com eles. Só as soluções que pareciam ser muito fáceis e estar fora do poder dos dois.

Me diverti, foi um livro leve, romântico, um pouco irritante por conta da velocidade de evolução de Tyra, mas uma fantasia despretensiosa. Exatamente o que eu estava precisando.


Até a próxima! o/

banner-resenha-arqueiro_2016

Você também vai gostar

Nenhum comentário

Deixe uma resposta