bate papo

Semana Especial – Toda a luz que não podemos ver – Intrínseca

30 out 2015

A Intrínseca convidou seus parceiros para participar de uma semana especial sobre o livro Toda a luz que não podemos ver, de Anthony Doerr. Cada dia dessa semana foi voltado para falar um pouco sobre vários assuntos voltados para a história do livro.

Algumas informações interessantes sobre Toda a luz (…). O livro foi o vencedor do prêmio Pulitzer de 2015 e no Goodreads foi o vencedor do Goodreads Choice 2014, no quesito Ficção Histórica. Além disso, sua nota de avaliação é maior que 4.2 estrelas e já tem mais de 28 mil resenhas sobre o livro.

E eu aqui me perguntando por que mesmo eu ainda não consegui pegar para ler… (talvez as 528 páginas e o tema de guerra esteja me assustando um pouco)

A edição da Intrínseca chegou para mim de em um kit estupendo que eu já mostrei para vocês mas faço questão de colocar a imagem de novo.

toda luz que não podemos ver - anthony doerr

E tem softtouch! <3

Mas vamos à minha participação na semana! Como o livro é ambientado no pós e no durante da Segunda Guerra Mundial, vou fazer uma pequena listinha de livros que já li ou tenho vontade de ler e que desenvolvam uma história nesse mesmo período histórico. Acho que já comentei, mas tenho um pouco de dificuldade com histórias de guerras em geral. Acho que normalmente os livros que tratam desse assunto são muito sofridos e tendo a fugir um pouco deles. Mas isso não me impede de ter interesse pelo autor ou pelo plot que pode ser construído.


Vou começar pelos livros que eu ainda não li, mas estão na minha lista de “quero dar uma olhada”. ^.~

As Espiãs do Dia D - Ken FollettAs Espiãs do Dia D [skoob/goodreads] – Ken Follett

Ken Follett é um daqueles autores de livros chaprocas históricos que eu tenho muita curiosidade de ler desde que conheci Pilares da Terra. O autor escreve ficção histórica e já ouvi muitos elogios ao seu estilo, à qualidade das suas histórias e pesquisa para ambientar seus personagens. Ele tem muitos livros em série, como a recente Trilogia do Século, que acompanha várias gerações de famílias ao longo do século XX. Na verdade o segundo livro desta série se encaixaria na minha listinha, mas preferi escolher um stand alone do autor.

As Espiãs do Dia D conta a história de um grupo de mulheres que precisou invadir uma central de comunicação nazista para impedir o avanço do terceiro reich. Em tempos de empoderamento feminino, não há nada mais justo do que o colocar a possibilidade do fim da guerra nas mãos desse grupo de mulheres.

o rouxinol - kristin hannahO Rouxinol [skoob/goodreads] – Kristin Hannah

Lançamento de novembro da Arqueiro, o mais novo livro de Kristin Hannah conta a história de duas irmãs francesas, durante a Segunda Guerra Mundial. Cada uma tem crenças diferentes em como enfrentar a invasão de seu país pelos nazistas.

O livro lançado em fevereiro (lá fora), tem uma nota muito boa no Goodreads, mais de 4.5 estrelinhas, e já recebeu mais de 11 mil resenhas, inclusive de uma blogueira inglesa que acompanho, gosto e respeito muito. Você pode ler a opinião dela (em inglês) em sua review aqui.

Uma curiosidade. No encontro de livreiros e blogueiros da Sextante/Arqueiro foi dito que a arte em amarelo na capa aqui do lado, na versão impressa na verdade é um hotstamping de dourado! *0*

Anjos da Morte - Eduardo SpohrAnjos da Morte [skoob/goodreads] – Filhos do Éden #2 – Eduardo Spohr

Vamos colocar um pouco de fantasia nessa mistura de contemporaneidades. No segundo livro da série Filhos do Éden, Eduardo Spohr coloca seus personagens como parte integrante e atuante de alguns momentos importantes e bélicos de nossa “civilização”, começando pelo período da Segunda Guerra Mundial e indo até 1989.

O livro mistura o passado e o presente com núcleos de diferentes personagens, além de manter a história embalada no universo angélico criado pelo autor brasileiro.

Anjos da Morte é um daqueles livros que eu já comprei mas ainda não li, e já estou indo atrás do último da trilogia que sai agora em novembro.

A Menina que roubava livros - Markus ZusakA Menina que roubava livros [skoob/goodreads] – Markus Zusak

Aqui eu preciso fazer uma confissão: nunca consegui terminar de ler A Menina que roubava livros. Há alguns anos, peguei o livro emprestado com minha cunhada e comecei a ler. Ele não me envolveu e eu deixei de lado lá pela página 20 ou 30, na expectativa de “daqui a pouco eu pego de novo”. Ele acabou ficando ali na estante, só me encarando, me lembrando da minha falta.

No começo do ano passado eu fui ver o filme em pré-estreia, e de certa forma, acredito que eu não conseguiria realmente terminar de ler. Ele já foi devidamente devolvido à dona (porque, afinal, eu não roubo livros :P), mas, se o livro refletir exatamente o que mostrou no filme, é um exemplo do que eu particularmente tentaria mas sofreria para terminar.


Agora, dois livro que li e resenhei aqui no blog, que também estão envoltos pelo período da Segundo Guerra Mundial.

A Garota que você deixou para trás - Jojo MoyesA Garota que você deixou para trás [skoob/goodreads] – Jojo Moyes

Acho que Jojo Moyes é campeã em escrever livros bonitos, tristes, envolventes e marcantes. Felizmente ele não foi tão destruidor de emoções quanto Como eu era antes de você.

A Garota (…) alterna a história entre o presente e o passado de duas mulheres, relacionadas por uma mesma pintura. No passado, acompanhamos Sophie enquanto sua casa é invadida pelos alemães, e ela passa a ser uma “empregada” dos vários oficiais que frequentam sua sala de estar.

É um romance forte, com personagens femininas interessantes e que mostra um outro lado da guerra, que não necessariamente tem a ver com bombas e tiros, mas que é da mesma forma triste e traumatizante.

Leia a resenha.

Entre o céu e a terra - Timotheé de FombelleEntre o Céu e a Terra [skoob/goodreads] – Vango #1 – Timothée de Fombelle

Vango na verdade se passa no período pré-guerra mas já dá para acompanhar a movimentação nazista ao longo da história. É um livro de aventura, de um jovem buscando respostas sobre o seu passado, mas que está envolto por personagens e situações que foram reais durante a década de 1930-40.

Como o foco não é na guerra em si, consegui me envolver bastante com o livro, por causa do ritmo quase frenético e pela boa contextualização e descrição da história de Vango.

Além disso tudo, é um dos livros mais bonitos que foram lançados esse ano (e que caíram na minha mão). ^.~

Leia a resenha.


Essas são minhas sugestões de leituras e preciso me comprometer a finalmente ler Toda luz que não podemos ver…

Até a próxima! o/

Você também vai gostar

1 comentário

  • Responder Vitoria 30 out 2015 at 19:33

    Estou louca pra ler “Toda a luz que não podemos ver”!! Na lista!! bjsss

  • Deixe uma resposta