resenha

Para Sempre Sua – Sylvia Day

2 dez 2014
Informações

para sempre sua

sylvia day

paralela

série crossfire #3

312 páginas | 2013

4.25

Design 4.5

História 4

A partir do momento que conheci Gideon Cross, vi nele algo que precisava. Algo que não podia resistir. Eu vi a alma perigosa e danificada — muito parecida com a minha. Eu estava atraída por isso. Eu precisava dele, tanto quanto precisava que meu coração batesse. Ninguém sabe o quanto ele arriscou por mim. O quanto fui ameaçada, ou quão sombria e desesperada a sombra de nosso passado se tornaria. Entrelaçados por nossos segredos, nós tentamos desafiar as probabilidades. Nós fizemos nossas próprias regras e nos rendemos completamente ao poder requintado da posse…

Design

Terceiro livro da série Crossfire (que eu acabei de ver que pode ter cinco volumes u.u) e minha opinião sobre o projeto gráfico você pode conferir na resenha do primeiro volume que não mudou nada não. ^.~

Quanto a capa, acho que nunca vou entender direito porque fazer capas genéricas… não consegui encaixar a ideia de um frasco de perfume na história e fica meio gratuito, sabe? “O que pode ser visualmente interessante, sensual e não ter nada a ver com a história do livro?” “Ah, já sei! Coloca um frasco de perfume que tá maneiro!”… ¬¬


 História

Agora sim voltamos a conversar e essa é a Sylvia Day que eu conheço e gosto. Depois de um segundo livro lento, com uma carga dramática exagerada e sem um foco no erotismo normal da autora, Para Sempre Sua retoma o que eu senti falta no livro anterior.

Erotismo em praticamente todos os capítulos, um desenvolvimento maior do relacionamento de Eva e Gideon, que agora tem que tomar cuidado com toda a repercussão dos acontecimentos do livro anterior, um leve conflito mãe/filha, mais espaço para Cary, e mais uma dose de erotismo. Eu já falei erotismo? Então, EROTISMO! ^.~

Não sou (mais) de dar spoilers, então não precisam se preocupar (por mais que falar de séries seja um dos maiores de desafios nas resenhas). Foi bem melhor acompanhar uma Eva mais confiante, apesar de que os dois ainda tem um lado possessivo muito forte e precisam de auto-afirmação do relacionamento com frequência. É compreensível, acho que todo começo de relacionamento é meio assim, você se certificando que o outro está ali, junto com você em todos os sentidos. Só que os dois, nossa…! >o<

Para variar, Gideon e Eva são incansáveis e “toda a hora é hora”, “todo lugar é lugar”. Ambos enfrentam momentos de ciúmes e conseguem manter a confiança um no outro. Apesar de achar que dos dois Gideon parece ser o que mais se desenvolveu, a autora continua colocando certo mistério no passado do bilionário, e não vejo resolução no relacionamento familiar dele tão cedo.

Como o foco do livro era consolidar o relacionamento dos personagens principais, de superação das adversidades, e da descrição dos encontros sensuais, ouvir a história pelo PoV da Eva foi bem menos pesado e cansativo do que no livro anterior.

Da parte das cenas sensuais de Eva e Gideon, Sylvia Day conseguiu me surpreender muito em uma delas, mas no resto do tempo eu continuo sentindo um misto de vergonha alheia e “interesse” (se vocês me entendem). Em alguns diálogos eu não consigo evitar uma risada furtiva. Exatamente por isso e pelas palavras bem descritivas ao longo das páginas que não consegui/tive coragem de ler o livro no transporte público. Sabe-se lá quem poderia ler por cima do meu ombro, e que tipo de ideias erradas essa pessoa poderia ter.

A autora deixa uma ou outra ponta solta para justificar uma continuação, mas continuo achando que Crossfire não precisava ser uma série, e poderia ter se resolvido com um livro só, misturando o primeiro e esse terceiro. De qualquer forma, o quarto acaba de ser lançado aqui no Brasil… vamos ver que outras peripécias Guideon e Eva ainda podem aprontar, em cima de uma cama, ou não. ;)


Até a próxima! o/

banner-resenha-bcl

Você também vai gostar

Nenhum comentário

Deixe uma resposta