resenha

Juliette Society – Sasha Grey

3 out 2013
Informações

juliette society

sasha grey

leya | quinta essência

série ---

236 páginas | 2013

0.75

Design 0

História 1.5

18

Se eu te contasse que existe um clube secreto, cujos membros pertencem à classe mais poderosa da sociedade – banqueiros, milionários, magnatas da mídia, CEO’s, advogados, autoridades, traficantes de armas, militares condecorados, políticos, oficiais do governo e até mesmo o alto clero da Igreja Católica –, você acreditaria? Este clube se reúne sem regularidade, em um local secreto. Às vezes em locais distantes e às vezes escondidos. Mas jamais duas vezes no mesmo lugar. Normalmente, nem mesmo duas vezes no mesmo fuso horário. E esses encontros, essas pessoas… não vamos enrolar, vamos chamá-las do que são, os Mestres do Universo. Ou o Braço Executivo do Sistema Solar. Então, essas pessoas, os Executivos, usam os encontros como uma válvula de escape do cansativo e estressante negócio de estragar ainda mais o mundo e criar novas maneiras sádicas e diabólicas de torturar, escravizar e empobrecer a população. E o que eles fazem em seu tempo livre, quando querem relaxar? Deveria ser óbvio. Eles fazem sexo.

Design

Mais um livro digital, portanto, sem avaliação de design.


Resenha

Preciso começar esta resenha com a seguinte afirmação e me perguntando:

gente-necessidade-disso-600x280
Li Juliette Society em poucas horas em um dia só, e cada capítulo que passava eu me perguntava porque continuava lendo. Antes de dar minha opinião quero que saibam que a estrutura e a forma como o livro foi escrito é boa, embora eu não tenha gostado. Não posso tirar o mérito de que foi uma leitura ao mesmo tempo angustiante e instigante.

Recebi o convite para ler pela parceria com a Quinta Essência e aceitei por legítima curiosidade. Conhecia Sasha Grey de nome, mesmo não sendo consumidora de pornografia. Em um episódio do Matando Robôs Gigantes eles falaram sobre a atriz e eu guardei a informação de que ela havia se aposentado. Quando a LeYa começou a alardear o livro, e a fazer uma propaganda maciça, fiquei curiosa sobre como seria uma narrativa criada por uma ex-atriz pornô. Por favor, não pensem que estou desmerecendo a moça por sua ex-profissão!

Só que no fim das contas acabei me decepcionando bastante. Fiquei com a sensação de estar lendo o roteiro de um dos filmes que Grey possa ter estrelado. Não me pareceu uma leitura feminina, com situações e descrições que devem agradar mais a um público masculino.

Sasha Grey flerta com uma história que tenta analisar a sexualidade mas que não se sustenta, ou muitas vezes escorrega para o gratuito.

A personagem, que só descobrimos o nome lá pelo meio do primeiro capítulo, está frustrada com o namorado, que parou de procurá-la na cama por excesso de trabalho (Amigë, se você está frustrada com o namorado, por favor, parta para outra!). Então, nossa protagonista, Catherine, estudante de cinema, passa a fantasiar com seu professor Marcus. É na sala de aula que ela conhece Anna (uma moça que tem “probleminhas” mas que Grey descreve como segura de sua sexualidade), que acaba levando Catherine para um lado obscuro e pesado do cenário sexual do livro.

Nossa heroína passa a maior parte do tempo fazendo citações de filmes velhos clássicos, com personagens que talvez pouco digam para o público. Quando não está falando sobre cinema, está fantasiando sobre situações sexuais, tentando racionalizar o sexo, ou tentando justificar suas ações para si mesma e consequentemente para o leitor.

Catherine passa a procurar novas aventuras sexuais junto com Anna e tenta o tempo todo convencer o leitor que, apesar do que está fazendo, o homem da vida dela é o namorado que nem liga para ela… uhn, tá.
Sobre a Juliette Society propriamente dita, a sociedade secreta quase não aparece ou tem o valor para a história. Do jeito que a sinopse vende fica parecendo que ela seria o centro de toda a trama, mas não é bem assim. Ela é sim o cenário de uma das situações mais BIZARRAS de toda a história, mas ao mesmo tempo deixa pontas soltas que a autora não se preocupa em fechar.

No terço final a narrativa perde o rumo e tenta se dar ares de thriller psicológico e fica com ainda menos sentido do que tinha até aqui. Ao terminar a leitura fiquei com a sensação de que a autora tentou desenvolver uma história maior ou profunda mas que não conseguiu construir um final decente para fechar toda a loucura que criou durante as 236 páginas.

Personagens fracos, situações perturbadoras, um capítulo gratuito sobre ejaculação, e uma sensação de Kubrick wannabe (*) fazem com que Juliette Society se esforce demais para não chegar nem na praia. Se era pra ser erótico e interessante ficou só no pornográfico e superficial.


Até a próxima! o/

(*) Stanley Kubrick foi um diretor muito aclamado com filmes como: O Iluminado, Laranja Mecânica, 2001 – uma Odisseia no Espaço, no currículo. Aqui me refiro principalmente ao filme De Olhos Bem Fechados, com Tom Cruise e Nicole Kidman, que também trata de sexualidade e de uma sociedade secreta. Confesso que vi o filme há muito tempo e que achei muito doido na época, e é desta sensação a que me refiro.

banner-resenha-leitoras

Você também vai gostar

4 Comentários

  • Responder novas aquisições do blog #32 | Parafraseando LivrosParafraseando Livros 25 out 2013 at 15:46

    […] A primeira foi a oportunidade de conhecer o lançamento da Leya/Quinta Essência Juliette Society. Recebi um pouco antes de entrar de férias mas só pude ler quando a sinusite se apossou de meu corpo! XD Já tem resenha que você pode conferir aqui. […]

  • Responder Nica (@DraftsdaNica) 7 out 2013 at 22:43

    Confesso que queria ler esse livro, mas depois da sua resenha, desanimei! Quando a Maria me ofereceu, estava enrolada com a escola e acabei deixando de solicitar… talvez tenha sido a melhor coisa! rsrs
    Eu até gosto de romances desse tipo, mas se a história não se sustenta, é rasa… passo!
    Beijos,
    Nica

  • Responder Ize Chi 3 out 2013 at 22:17

    Por isso que conseguimos bater 2h de papo sem perceber: nossas opiniões são parecidas DEMAIS!
    Juro, eu não tenho como acrescentar uma palavra à mais na sua resenha. Se tiver curiosidade, depois leia o comentário que fiz (com ares de resenha) no Skoob e (acho) Goodreads (não lembro se adicionei lá).

    Resenha maravilhosa, apontando e analisando bem cada detalhe do livro. Não esperava menos de você =)
    (Por falar nisso, pode arranjando mais tempo para resenhas! Sinto falta de lê-las ^^)

    • Responder Samara Maima 4 out 2013 at 11:05

      Oi Ize! As resenhas vão voltar, não se preocupe! Foi só aquela preguiça de férias que bateu com força e me abraçou. Obrigada pelo carinho. :3 o/

    Deixe uma resposta