resenha

Fundação – Isaac Asimov

22 fev 2010
Informações

fundação

isaac asimov

aleph

série fundação #1

238 páginas | 2009

4

Design

História 4

O Império Galático possui 12 mil anos. E possui pujança, grandeza e estabilidade. Ao menos em sua fachada. Mas ele está em pleno declínio, lento e gradual. E, no final, culminará com uma regressão violenta da sociedade e a conseqüente destruição do conhecimento. Preocupados com isso, um grupo de cientistas traça um plano pela preservação do conhecimento adquirido. Vencedor do prêmio Hugo, como a melhor série de FC de todos os tempos, este é o livro inicial da Trilogia da Fundação.

Vamos começar com uma afirmação básica para esta resenha: EU NÃO ENTENDI NADA! XD

Por favor, os fãs de Asimov que me perdoem. Esse é o primeiro livro dele que eu leio. E está completamente fora do que eu estou acostumada a ler.

Não tem descrição. NENHUMA! De nenhum personagem, nem objetos, nem locais. Descrição demais eu não gosto, mas descrição de menos, esse excesso de liberdade de imaginação, acho que eu também não gosto.

Mas, se eu não entendi a história e eu (descobri que) não gosto tanto de livros sem descrição nenhuma, por que eu dei 4 pontos, você deve estar se perguntando. Porque é uma das primeiras obras de ficção científica que temos. E a história, apesar de muuuuuuuito difícil, é muito interessante! Me acompanhem.

Num futuro muito distante, quando a humanidade já se expandiu pela galáxia a ponto de perder a noção do planeta original do homem, a sociedade é governada pelo Império, e a capital é um planeta chamado Trantor. Neste futuro de maravilhas tecnológicas, um psico-historiador, Hari Seldon, prevê a destruição da estabilidade social que existe, e é acusado de tentar destruir a confiança do povo no Império.

Os estudos de Seldon preveem que em 300 anos a sociedade como se conhece entraria em colapso, e a humanidade voltaria a um estado de barbárie. Para voltar ao nível de evolução em que se encontravam, levaria 30 mil anos. Para minimizar o efeito da destruição, Seldon propõem a criação de uma Fundação, e prevê que, com ela, a humanidade levaria apenas mil anos para se restaurar. Todos os participantes da Fundação são exilados em Terminus, um planeta na periferia da galáxia, onde não interfeririam no Império.

Foi aqui que o livro desandou pra mim. Os capítulos seguintes são completamente independentes, cada um deles se passando dezenas de anos depois do anterior. É bastante difícil de criar um vínculo com os personagens. Quando você começa a entender alguma coisa, o capítulo acaba e todos os personagens provavelmente estão mortos no capitulo seguinte.

A psico-história, que é a ciência de Hari Seldon, estuda os movimentos de uma sociedade, e não de um só indivíduo; e esta sociedade não pode ter idéia dos acontecimentos que foram previstos, para que tudo ocorra de acordo com as previsões. @.@ Então, a Fundação não possui nenhum psico-historiador ou matemático que possa estudar e interferir no pensamento da sociedade…

Já deu pra entender que é complicado o negócio, né? De qualquer forma, eu indico bastante o livro. Um clássico da ficção científica, numa edição bem acabada e bonita. Se tiver a oportunidade de comprar o box, vai ficar mais legal ainda na estante.

Dessa vez fico devendo SPOILERS. Afinal, eu ainda estou tentando entender a psico-história do livro… ¬_¬

Livro que estou lendo agora: A Batalha do Labirinto (Percy Jackson vol.4) – Rick Riordan

Até a próxima! o/

Você também vai gostar

2 Comentários

  • Responder Rafael Dourado 15 mar 2010 at 19:42

    O legal do livro não é exatamente a relação com personagens, mas a idéia. A idéia de se ter uma ciência que consiga prever o rumo de um povo, já que a massa poderia ser prevista. A idéia de como a humanidade reagiria frente ao fracasso. A crítica das relações políticas prevalecendo diante do pensamento lógico…
    Talvez tivesse sido menos traumático se você tivesse lido os contos antes. Pelo menos comigo funcionou. Pois até nos contos os personagens são sem importância. É uma leitura diferente mesmo.

  • Responder Gabriel 22 fev 2010 at 23:16

    o/ Estreando um novo gênero. Será que vinga? A história parece bem interessante. Boa sorte!

  • Deixe uma resposta